Cangaço e candomblé inspiram nomes de peixes descobertos no RN e na PB
Natal, RN 27 de mai 2024

Cangaço e candomblé inspiram nomes de peixes descobertos no RN e na PB

1 de janeiro de 2024
4min
Cangaço e candomblé inspiram nomes de peixes descobertos no RN e na PB
Peixe Maria Bonita foi encontrado na várzea da bacia do rio Apodi-Mossoró | Fotos: Instituto Peixes da Caatinga

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Tentando chamar atenção da sociedade para a preservação de peixes da Caatinga ameaçados de extinção, pesquisadores homenageiam figuras históricas e de resistência na hora de dar nome a espécies recém-descobertas no Rio Grande do Norte e no Ceará. Desta vez, a cangaceira Maria Bonita e um inquice do Candomblé chamado Gongobira foram escolhidos.

Os animais foram descritos no artigo “Molecular delimitation of the seasonal killifishes of the Hypsolebias antenori species group (Cyprinodontiformes, Rivulidae), with description of two new species from the Caatinga coastal basins, northeastern Brazil” publicado pela revista científica Zootaxa.

Hypsolebias bonita macho
Hypsolebias bonita fêmea

O mesmo grupo de especialistas – ligados às universidades federais do Rio Grande do Norte (UFRN) e da Paraíba (UFPB), ICMBio e Instituto Peixes da Caatinga – homenageou o presidente Lula, sendo notícia em todo o país.

Os pesquisadores produziram vídeo sobre a pesquisa:

Hypsolebias bonita é o nome do peixe descoberto na várzea da bacia do rio Apodi-Mossoró e microbacia do córrego Virgílio, no Rio Grande do Norte. Hypsolebias gongobira foi encontrada em uma poça temporária na bacia do rio Pacoti, no estado do Ceará. A pesquisa constatou que eles medem cerca de 7 cm de comprimento e apresentam dimorfismo sexual, sendo possível identificar indivíduos machos e fêmeas.

As duas espécies pertencem ao grupo conhecido popularmente como “peixes das nuvens" ou “peixes anuais”, que aparecem geralmente uma vez ao ano, na temporada de chuvas.

Parque Nacional da Furna Feia fica localizado entre Baraúna e Mossoró.

“Em ambos os nomes quisemos ressaltar a conexão com a cultura, a beleza dos peixes e também com a conservação, uma vez que os nomes podem alcançar uma dimensão afetiva com a sociedade, ajudando a popularizar o conhecimento sobre essas espécies ameaçadas de extinção”, explicou o biólogo pesquisador da UFRN Yuri Abrantes, autor do artigo junto com Telton Pedro Anselmo Ramos, Diego de Medeiros Bento e Sérgio Maia Queiroz Lima.

O estudo também discute o estado de conservação das novas espécies e como a transposição do rio São Francisco e a expansão agrícola e urbana no semiárido podem afetá-las de forma negativa.

“Esses são os principais impactos antrópicos [causados pela ação humana] que promovem a perda de hábitat dos peixes das nuvens.  Enquanto a transposição do Rio São Francisco pode resultar em mudanças nos ciclos hidrológicos [da água] das várzeas, dos rios, afetando o ciclo de vida dos peixes das nuvens, os impactos da expansão urbana e agrícola podem extinguir populações ou até mesmo espécies desses organismos.”, detalhou Yuri Abrantes.

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.