Ponte de Igapó será interditada parcialmente por um ano a partir da próxima segunda-feira (11) e moradores reclamam
Natal, RN 18 de jun 2024

Ponte de Igapó será interditada parcialmente por um ano a partir da próxima segunda-feira (11) e moradores reclamam

8 de setembro de 2023
3min
Ponte de Igapó será interditada parcialmente por um ano a partir da próxima segunda-feira (11) e moradores reclamam

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

A ponte do Igapó, umas das principais vias que ligam a zona norte às demais regiões de Natal, está passando por uma série de interdições desde setembro de 2022. As obras de requalificação da avenida Felizardo Moura, por exemplo, chegam a mais uma etapa na próxima segunda-feira (11).

O lado direito da ponte será interditado, no sentido Zona Norte/Centro, por 12 meses, para a conclusão das obras. Durante a interdição, o outro lado da via será usada como mão dupla para dar continuidade no fluxo do trânsito. 

Segundo o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) , a interdição é necessária em função do início do processo de reabilitação da ponte, conforme previsto no contrato de manutenção de Obras e Artes Especiais. Além disso, visa a preservação da segurança dos usuários e da equipe contratada para a realização dos serviços. 

“O DNIT ressalta que o trecho estará sinalizado com placas, cones e outros dispositivos de sinalização, alertando para interdição”, explicou o órgão. 

Após início da obra, moradores chegam a demorar 3 vezes mais tempo para ir ao destino 

Desde o ano passado, os moradores da zona norte enfrentam engarrafamentos, que duram horas, nos trechos em construção. Por isso, essa nova interdição está preocupando as pessoas que precisam passar pelo trecho diariamente. 

Regina Melo mora no bairro Lagoa Azul, é auxiliar de costureira e passa todos os dias pela “Ponte Velha”, como é conhecida a estrutura. Ela conta que já enfrentou engarrafamentos de mais de 2 horas em um percurso que antes fazia em 50 minutos. A costureira precisa sair de casa às 5h30 para tentar chegar às 8h no trabalho, próximo ao Natal Shopping, no bairro de Lagoa Nova.

“É um desserviço à população da zona norte. A gente precisa sair de casa muito mais cedo. E mesmo saindo mais cedo de casa, ainda chego atrasada na maioria das vezes correndo o risco de perder o emprego. Até quando isso?”, desabafa. 

Nathalie Viviane, estudante de Farmácia e moradora do bairro Soledade, precisa fazer um percurso mais longo para tentar driblar o caos na ponte velha. Para isso, a estudante pega um ônibus que vai pela Ponte Newton Navarro e faz em 1 hora e meia um trajeto que fazia em 30 minutos.

“Eu tenho que ir pela ponte ‘nova’ porque se eu for pela ‘velha’ não saio do lugar de jeito nenhum. O trabalhador não tem um dia de paz”, finaliza. 

Miguel Jefferson é profissional de marketing e mora no bairro da Soledade 2. O jovem é um dos muitos que descem dos ônibus e atravessam a ponte a pé.

“É muito mais rápido, infelizmente. Todo mundo perde muito tempo ali parado e o único jeito é descer e ir andando. A gente já sai do trabalho cansado, passa por isso, e volta no outro dia pra trabalhar de novo”, desabafa. 

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.