Grupo que se passava por políticos para aplicar golpes é alvo da Civil
Natal, RN 13 de abr 2024

Grupo que se passava por políticos para aplicar golpes é alvo da Civil

27 de fevereiro de 2024
2min
Grupo que se passava por políticos para aplicar golpes é alvo da Civil
Natália Bonavides I Foto: reprodução

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

A Polícia Civil do Distrito Federal deflagrou, nesta terça (27), uma operação para identificar os integrantes de uma quadrilha especializada em fraude eletrônica com golpes em todo o território nacional. O grupo se passava por personalidades políticas, como senadores, deputados e prefeitos, “clonando” os perfis de Whatsapp, para utilizar suas imagens e seus nomes.

A deputada federal Natália Bonavides (PT – RN) e o prefeito Amazan Silva, de Jardim do Seridó, estão entre as vítimas que tiveram o nome usado pela quadrilha na aplicação de golpes. Ao todo, 11 senadores, 4 deputados federais e 2 prefeitos tiveram os nomes usados.

Foto: Polícia Civil do Distrito Federal

A investigação começou em junho de 2023, depois que alguns senadores vítimas do grupo procuraram uma delegacia do Distrito Federal para denunciar a prática de crimes usando seus nomes. Nesta terça foram cumpridos oito mandados de busca e apreensão nas cidades de Timon (MA) e Teresina (PI). São investigados: um homem, de 26 anos, e quatro mulheres, de 22, 25, 41 e 43 anos de idade.

Além dos perfis falsos de diferentes autoridades, também foi constatado que a quadrilha utilizava vários números telefônicos cadastrados em nome do mesmo parlamentar. Se condenados, os suspeitos vão responder pelos crimes de Associação Criminosa, Falsa Identidade e Estelionato, cujas penas somadas podem atingir nove anos de reclusão.

Método dos golpes

Os farsantes entravam em contato com as vítimas e informavam que havia uma doação disponível. Com a justificativa de que o prazo estava em vias de se esgotar, os criminosos solicitavam que as vítimas efetuassem um depósito em dinheiro ao motorista do caminhão, em que os produtos estavam, para serem entregues na região da vítima.

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.