Professores de Mossoró contestam marketing do prefeito e piso defasado
Natal, RN 28 de mai 2024

Professores de Mossoró contestam marketing do prefeito e piso defasado

27 de fevereiro de 2024
4min
Professores de Mossoró contestam marketing do prefeito e piso defasado
Foto: Maricelio Almeida/ Prefeitura de Mossoró

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Apesar do anúncio do prefeito de Mossoró, Allyson Bezerra, de que os professores da rede municipal de ensino tiveram o maior reajuste durante sua gestão, a categoria está insatisfeita com o tratamento que tem recebido por parte do prefeito. A categoria contesta anúncio de maior reajuste e alega que o piso está defasado, já que ainda aguarda pela implantação do reajuste do salário base de 2023.

De acordo com a presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Mossoró (Sindiserpum), Eliete Vieira, os professores da rede municipal acumulam um achatamento de quase 15% depois que o prefeito da cidade judicializou o reajuste anunciado pelo Ministério da Educação (Mec) no ano passado.

Eliete Vieira, pres. do Sindiserpum I Foto: reprodução

“Em 2019 o Mec anunciou reajuste de 4,27%, mas a prefeita na época, Rosalba [Ciarlini, ex-governadora do RN], implantou só 3,75% e ficou devendo 0,42%. Depois, teve a pandemia e passamos dois anos sem aumento. Em 2022, o Mec deu a diferença do custo-aluno dos anos sem aumento e estabeleceu o reajuste de 33,24%. O prefeito [Allyson Bezerra] acrescentou 0,42% e anunciou o reajuste de 33,67%, dizendo que resgatou aquilo que Rosalba não tinha implantado. Mas, ele só cedeu porque fizemos uma greve de mais de 30 dias, esse valor foi escalonado em sete vezes e pago em 17 meses! Nós só recebemos a última parcela de 2022 em novembro de 2023”, esclarece Eliete Vieira.

A direção do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Mossoró denuncia que o prefeito da cidade só implantou o reajuste de 2024 porque o valor é considerado baixo (3,62%) e depois de não ter implantado o aumento de 2023, de 14,95%.

Ele não aplicou o reajuste do Mec de 14,95% em 2023. O prefeito negou. Na época, fizemos a maior greve da cidade, que durou 54 dias, e duraria mais tempo se ele não tivesse judicializado. O prefeito ludibriou a sociedade e tentou sujar nossa imagem, dizendo que pagava acima do piso. O reajuste do Mec deve ser pago respeitando a carreira vertical (de títulos) e horizontal (por tempo de serviço), os 14,95% está na Justiça, a prefeitura nunca quis negociar. Com isso, ele provocou um achatamento na carreira de 14,95%, fora o retroativo de 2022 e 2023. Esse ano, como reajuste foi menor, ele faz esse alarde”, denuncia Eliete Vieira.

Na última sexta (23), Allyson Bezerra sancionou o reajuste da categoria de 3,62%, referente a 2024, e afirmou em suas redes sociais que os professores tiveram o maior reajuste durante sua gestão, somando um total de 37,29%. Porém, a direção do Sindiserpum rebate a informação e diz que, na verdade, durante o período da gestão do atual prefeito de Mossoró, se as portarias do Mec tivessem sido respeitadas, os reajustes deveriam somar 52,24%.

A Agência Saiba Mais entrou em contato com a Prefeitura de Mossoró que, por meio de sua assessoria de imprensa, apenas reafirmou que "juntando todos os reajustes concedidos pela gestão nos últimos quatro anos foi dado 37,29% de reajuste".

Segundo tabela elaborada pelo Sindicato, os professores da rede municipal com jornada de 40 horas semanais recebem o salário de R$ 5.532,14. Porém, a categoria aponta que o correto seria que a prefeitura pagasse R$ 6.359,19, considerando as portarias do Mec.

Saiba +

Governo do RN faz proposta para implantar piso dos professores em 2024

Piso dos professores em Mossoró (RN) é maior que o definido pelo MEC

Professores de Natal correm risco de ficar sem reajuste em 2024

Sindicato reclama de silêncio sobre piso dos professores para 2024

Governo e Prefeitura vão avaliar reajuste do piso dos professores

Governo do Estado adia pagamento da 11ª parcela do piso do magistério

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.