DEMOCRACIA

UFRN não considera volta do vestibular como método de acesso à instituição

Desde o dia 17 de janeiro, quando foram divulgadas as notas do Exame Nacional do Ensino Médio, o período de início de ano que é, geralmente, de expectativas para os futuros calouros universitários, se transformou em aflição, quando foram constatadas inconsistências nas notas no ENEM e o resultado do Sistema de Seleção Unificada (SISU) foi suspenso temporariamente pela justiça.

Diante da situação, a UFRN alterou parte de seu cronograma de cadastramento dos alunos ingressantes e suspendeu temporariamente o recebimento eletrônico prévio da documentação dos novos alunos, que teria início nesta segunda-feira (27), até a divulgação do resultado do Sistema de Seleção Unificada (Sisu).

Com a medida tomada pela UFRN e diante da situação crítica no Ministério da Educação, surgiram especulações quanto ao método atual de ingresso às universidades por meio do ENEM. Até 2012 o tradicional vestibular era a principal forma de acesso à maior universidade federal do Rio Grande do Norte. Os últimos calouros do método que tinha provas aplicadas pela Comissão Permanente de Processos Seletivos (Comperve) ingressaram em 2013, a partir daí a instituição aderiu ao Exame Nacional.

Para a Pró-Reitora de Graduação da UFRN, Maria das Vitórias de Sá, o ENEM é um grande avanço na democratização do Ensino Superior, pois possibilita por exemplo, que os alunos se inscrevam em cursos de diversos estados do país.

“Nós respeitamos o ENEM e o SISU, há sete anos a ferramenta vem funcionando e possibilita por exemplo, que os estudantes do RN façam a prova em seu estado e ainda assim concorram a vagas em outras regiões, com o antigo método (vestibular) isso só era possível se o aluno viajasse até a cidade que deseja estudar, ação impossível para quem não tem tais condições”, disse.

Ainda de acordo com a Pró-Reitora, não houve ainda na instituição nenhum debate em torno da saída da UFRN do SISU. A possibilidade é, por enquanto, inexistente. “Nós não sentamos para discutir isso e se houvesse esse diálogo seria muito intenso e amplo. Além disso, na UFRN qualquer decisão passa pelos conselhos e colegiados, de forma que nada, ainda mais algo de suma importância como a questão SISU/Vestibular, seria definido de forma unilateral.”, explicou Maria das Vitórias.

O Ministério da Educação não enviou qualquer comunicado sobre alterações de datas, tanto após a suspensão do resultado realizado pela Justiça quanto após a liberação da divulgação dos aprovados. “Estamos com a informação do calendário anteriormente divulgado antes da decisão. Ainda estamos aguardando um comunicado do Ministério sobre a situação e o novo cronograma de divulgação dos resultados. Nosso cronograma de cadastramento permanece mantido, com início nesta quinta-feira, (30)”, afirmou.

Com a decisão do STJ, o calendário de cadastramento dos novos alunos está definido de acordo com a aprovação do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão da instituição. Na UFRN, os prazos vão de 30 de janeiro a 3 de fevereiro, podendo variar de acordo com o campi da vaga disputada pelo estudante. Ao todo, as instituições de ensino superior potiguares disponibilizaram mais de 13 mil vagas, entre oportunidades para o primeiro e para o segundo semestre de 2020.

 

 

 

 

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo
Jornalista potiguar em formação pela UFRN, repórter e assessora de comunicação.