Ministério Público do RN recorre de decisão da justiça que libertou jipeiro acusado de matar amigo
Natal, RN 19 de jun 2024

Ministério Público do RN recorre de decisão da justiça que libertou jipeiro acusado de matar amigo

8 de abril de 2020
Ministério Público do RN recorre de decisão da justiça que libertou jipeiro acusado de matar amigo

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) recorreu da decisão do Tribunal de Justiça do estado que na última quinta-feira (2) concedeu liberdade provisória ao jipeiro Ailton Berto da Silva. Ele é réu confesso do assassinato de Fantone Henry Filgueira Maia e da tentativa de homicídio de outras duas pessoas durante uma confraternização em novembro passado na praia de Santa Rita, município de Extremoz.

No recurso, a Promotoria de Justiça de Extremoz destaca as hipóteses legais para manutenção da prisão preventiva, “não sendo pertinente e muito menos recomendável da concessão de cautelares diversas da prisão, já que foi amplamente demonstrada a periculosidade do agente, risco de reiteração delitiva e efetiva possibilidade de fuga do distrito da culpa”.

Ailton estava preso desde o dia 6 de dezembro de 2019. Segundo o MPRN, no início de março, a Justiça havia indeferido um pedido da defesa do denunciado de prisão domiciliar por entender necessária a custódia cautelar.

Na manhã desta quarta-feira (8), amigos e familiares de Fantone Henry Filgueira Maia quebraram a quarentena e saíram em carreata pelas ruas de Natal contra a decisão da justiça do RN. Eles pedem que Ailton volte a responder ao processo pela morte de Fantone na prisão.

Entenda o caso

O crime aconteceu em novembro passado, na praia de Santa Rita, em Extremoz. Depois de desentendimentos, Ailton Berto fez vários disparos, atingindo Fantone Henry Filgueira, que morreu no local, e duas outras pessoas que foram socorridas e levadas a hospitais da cidade.

Após o crime, Ailton fugiu do local e foi considerado foragido. No dia 6 de dezembro ele foi preso por policiais civis da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), na cidade de Goianinha.

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.