CIDADANIA

RN terá “cicloprotesto” em diferentes municípios no próximo domingo

As mortes de três ciclistas no distrito de Baixa do Meio, em Guamaré, interior do Rio Grande do Norte, reforçaram a necessidade de ações em prol da vida no trânsito. Por isso, diversos grupos realizam o Cicloprotesto Estadual, uma série de manifestações no próximo domingo (24), a partir das 15h.

Em Natal, a saída será da Praça Pedro Velho, em Petrópolis, seguindo pelas ruas e avenidas: Potengi, Hermes da Fonseca, Salgado Filho, BR 101, viaduto de Ponta Negra, Roberto Freire até o polo gastronômico em Ponta Negra.

Na Baixa do Meio, a concentração do ato será na praça da Igreja e espera receber cidadãos de toda Guamaré e ainda Jandaíra e Macau.

Em Itaú, os ciclistas se encontram em frente ao parque de vaquejada na BR-405; no município de São Tomé o ponto de partida é a Praça Antônio Assunção; em Carnaubais a concentração será na Praça Olavo Montenegro, que recebe também os moradores de Alto do Rodrigues. Em São Paulo do Potengi também haverá cicloprotesto.

O atropelamento das vítimas em Guamaré ocorreu no domingo de Páscoa, 17 de abril, e na segunda-feira (18), a população fez um grande protesto pedindo justiça. O motorista, que havia fugido, se entregou. Mas o sentimento por justiça continua, inclusive por outras vítimas, junto com o desejo de uma cultura de paz no trânsito. A Associação de Ciclistas do RN (Acirn) lembra que naquele final de semana do feriado, 14 ciclistas morreram no Brasil.

SAIBA MAIS: Secretário adjunto de transportes de Guamaré se apresenta à polícia como suspeito de atropelar e matar três ciclistas

Segundo o presidente da Acirn, Fabiano Silva, a inexistência de acostamentos para veículos e ciclistas nas rodovias do estado é um problema gravíssimo, seguido da falta de fiscalização eletrônica e humana.

“Um exemplo é a região da Costa Branca que não tem bases de fiscalização do Comando de Polícia Rodoviária Estadual. No mesmo sentido são as rodovias federais, que desprezam e desrespeitam a Lei Nacional de Mobilidade Urbana a 12.587/12 no que concerne às pessoas. Seja de bicicleta, seja como pedestres, não tem proteção à vida, também aliada à falta de fiscalização. Tudo culmina em tragédias já tão comuns e corriqueiras onde o Estado despreza esses fatores”, comentou.

Fabiano também cita baixo efetivo de policiais de trânsito e da lei seca, o desligamento de radares de fiscalização como aspectos que contribuem diretamente para a sensação de impunidade sentida pelos motoristas.

“Hoje é muito comum de se ver engavetamentos monstruosos e acidentes trágicos nas rodovias que cortam a região metropolitana de Natal justamente pela falta de fiscalização e trabalho educativo. Essa mudança precisa acontecer, o Governo tem a obrigação de cumprir as metas de redução de mortes no trânsito. A Acirn participa de todos os conselhos de mobilidade e segurança no trânsito potiguar e vem denunciando esses absurdos diuturnamente”, declarou o representante da Associação, completando que o desejo daqueles que utilizam bicicletas é ter ciclovias, porém sabem que os são inúmeros os entraves, por falta de recursos. Por isso, propõem também “intervenções viárias que respeitem não só os ciclistas, mas também o pedestre, o direito à vida, inclusive à vida dos motoristas”.

“Os números de mortes no trânsito falam por si, motoristas estão matando mais e também morrendo mais por fatores de (má) conduta humana”.

A Acirn é colaboradora da campanha Maio Amarelo, membro do Conselho Estadual de Trânsito do RN (Cetran RN), Conselhos de Mobilidade urbana estadual e municipal, além de membro do PVT – Programa Vida no Trânsito RN.

Na segunda-feira (18), o Rio Grande do Norte aderiu ao Plano Nacional pela Redução de Mortes e Lesões no Trânsito (Pnatrans). A iniciativa tem como foco a ampliação da segurança no trânsito estadual, já que as 160 ações prioritárias agem de maneira programada até 2028 estimulando a redução em 50% no total de mortes e lesões decorrentes de acidentes no trânsito.

Confira os grupos de ciclistas e municípios que confirmaram participação no Cicloprotesto:

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo
Isabela Santos é jornalista e repórter da agência Saiba Mais