Turismo miseriô: a Ponta Negra do caos
Natal, RN 21 de jul 2024

Turismo miseriô: a Ponta Negra do caos

7 de outubro de 2023
4min
Turismo miseriô: a Ponta Negra do caos

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Por Eliane Macedo*

Eu morei em Natal por uns cinco anos no cantinho mais bucólico  da cidade: a Vila de Ponta Negra. Nessa época,  era o espaço encantador das rendeiras, dos pescadores, dos cajueiros fartos, da simplicidade, das ruas de areia, da jinga com tapioca, da tranquilidade das portas encostadas. A praia, era das barraquinhas,  da Raimunda, do Toninho, da Natureza, do Baiano e outras igualmente descontraídas, todas com comidinha praieira simples e gostosa e a boa água de côco no cantinho do morro arejado e limpo.

Depois de 10 anos sem visitar Natal, voltei no feriadão  de sete de setembro. Ao chegar na Vila de Ponta Negra, meu cantinho predileto, levei um susto, não  só  pela verticalização do bairro, mas pela degradação.

A brisa leve com cheiro de flor, manga e cajú que balançava as cortinas foi substituída pelo odor nauseabundo de excrementos humanos em quase todas as esquinas.  As ruas tomadas pelo lixo:  tufos de cabelo, cordas e tecidos puídos misturados a isopor, madeira, resto de tudo e qualquer coisa espalhados. A vergonha impregnada de nojo misturada a IMAGEM EMBLEMÁTICA da falta de ação governamental.

E aí o turista desce à praia e  assiste rato correndo de onda e  uma profusão de gente com medo sob guarda-sóis velhos rasgados no canto do morro, que exala a urina e cocô.

Ao longo da praia,  caixotes horrendos de cimento e azulejos abrigam banheiros  sujos, poluindo a paisagem,  atrapalhando a vista da mais bela praia urbana de Natal.

Sinceramente... enquanto o mundo se volta para preservação ambiental, reciclagem, desenvolvimento sustentável, a cidade de Natal mostra o seu famigerado tecido social esgarçado pela insensibilidade e miséria humana aos seus visitantes,  na cara dura, sem dó nem piedade.

Alguém  sai de casa à procura de miséria e horror no seu momento de folga?

E na pracinha do Cruzeiro, Vila de Ponta Negra, lugar histórico e  símbolo de resistência cultural da cidade, descendentes de gente da pesca, da renda e dos mestres da cultura popular encantam os nossos olhos  com suas danças e cânticos tradicionais. Capoeira, lapinha, símbolos das tradições e da cultura popular  proporcionam momentos lindos e alegres a quem assiste.

Todo esse contexto que nos leva a reflexão:

- Como pode essa gente oferecer tanta beleza e  receber em troca,  por parte da prefeitura, a falta de saneamento, de recolhimento de lixo, de iluminação e de limpeza? Que gestão  pública é essa? Que gestão  de turismo é essa?

Confesso que esses dias em que passei por Ponta Negra, essa riqueza ofertada pelo povo  da cultura foi o que me salvou da profunda tristeza e revolta. De resto, muita pena dos moradores da Vila. Um lugar que poderia ter um turismo maravilhoso, alegre, mostrando arte e gerando renda,  como se faz em Santa Teresa no Rio,  Olinda ou San Telmo na Argentina, e não  essa imagem deplorável, essa fotografia que a gente só  quer esquecer.

TURISMO MISERIÔ PRÁ  QUEM?

Veja as fotos e tire suas conclusões!

_____________________________

* Eliane Macedo é jornalista de Recife

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.