Tradição em Caraúbas: banda de música prepara festejos a São Sebastião
Natal, RN 5 de mar 2024

Tradição em Caraúbas: banda de música prepara festejos a São Sebastião

16 de dezembro de 2023
7min
Tradição em Caraúbas: banda de música prepara festejos a São Sebastião
A banda em 2018 | Foto: cedida

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Sob uma tenda, nos arredores da igreja Matriz, os acordes e notas dos saxofones, trompetes, trombones, flautas e percussão de cerca de 30 músicos ecoam canções clássicas e populares arrebatando crianças, jovens e idosos de Caraúbas, cidade de pouco mais de 20 mil habitantes, a 303 quilômetros de Natal, na região Oeste do Rio Grande do Norte. Tudo isso sob o sol do meio-dia, horário que não afasta a população, durante oito dias de janeiro, do hábito de acompanhar a tradicional Salva da Banda de Música Maestro Joaquim Amâncio, durante os festejos da festa de São Sebastião, padroeiro da cidade. Este é um dos principais momentos do grupo no ano inteiro.

A banda municipal Maestro Joaquim Amâncio está prestes a completar 152 anos de existência. Em 2022, foi declarada Patrimônio Cultural e Artístico do Município pela Câmara Municipal de Caraúbas. É a banda de música mais antiga do Brasil tocando de forma ininterrupta desde 1871.

Sua trajetória está ligada à história de devoção à São Sebastião. A banda, na época uma “charanga cultural”, fora criada justamente para a inauguração da nova Igreja Matriz, após 118 anos de festa em homenagem ao padroeiro na capelinha da cidade. A primeira apresentação ocorreu em 10 de janeiro de 1871.

Até hoje, é no mês de janeiro que se desenvolvem as principais atividades do grupo. Além da Salva, ao meio-dia, a Alvorada, às 5h, acorda a população para reverenciar São Sebastião a cada dia de festa. Já às 19h, as canções anunciam o início da Novena. A banda ainda entoa as procissões de abertura e encerramento dos festejos de São Sebastião, que mobilizam a população caraubense, os filhos que visitam a terra e os turistas de cidades vizinhas, de 11 a 19 de janeiro.

Osana Câmara e sua família fazem parte deste grupo de fieis apaixonados pela tradição de reverenciar a banda de música e louvar São Sebastião. Residente em Mossoró há 23 anos, todo mês de janeiro a caraubense volta às origens para as comemorações. Passando de geração em geração, as netas, Ohana, de 12 anos, e Laiza, de 10 anos, já acompanham a avó, de 61 anos.

Osana é tão entusiasta do evento que faz parte de um grupo de amigas que se denominam “as balizas da banda de música”. Há alguns anos, elas passaram a confeccionar acessórios e adereços, como balões e standarts, criando uma nova tradição dentro da tradição: as “balizas” e uma boa parte de fieis acompanham a banda em sua recolhida de volta para a sede após a Salva. Ela conta que antigamente a Salva acontecia dentro da igreja, mas o grupo de pessoas e animação foi se tornando tamanha, que a louvação foi transferida para a externa, ao lado da Matriz. Apesar do carinho especial pela Salva, ela não sabe especificar qual é o momento mais “mágico”.

As balizas da banda

O melhor momento é todos os momentos que a banda toca, o maestro envolve toda a comunidade caraubense e principalmente os filhos de Caraúbas que moram fora, é fantástico. Para mim, é um momento de encontro, de saudade, de lembranças e fazer esse acompanhamento representa a gente não deixar morrer as tradições boas, que a gente tem que levar, construindo nossa história. É um momento de muita fé, momento de pedir pelo ano que começa”, descreve com nostalgia.

Preparativos

Os mais de 30 músicos, entre 15 e 70 anos de idade, começam os preparativos para os dias de evento por volta de outubro. O repertório, que antigamente só incluía valsa, teve introduzidos clássicos da música pop, como Michael Jackson, brasileira e até brega.

Foi Antônio Gomes de Sales, conhecido como Toinho da Banda, que incluiu a novidade na lista de canções. Ele começou a tocar com nove anos de idade e foi maestro da banda de 17 de dezembro de 1990 até 28 de março de 2019.

Toinho, aos 9 anos, e seu irmão Sandro, já membros da banda

Até hoje, compõe o grupo de músicos da Joaquim Amâncio. Nesse período, em dezembro, segundo Toinho, a expectativa já está grande para a alegria de tocar por tantos dias em momentos tão tradicionais e simbólicos para a cidade.

Faz parte da minha vida, estou aqui há 43 anos”, diz com os olhos brilhando.

A banda toca também em outros períodos do ano. Toinho se lembra com carinho quando, antigamente, nem todas as cidades possuíam bandas de música como a Joaquim Amâncio.

As lembranças que guardo da banda do passado são as tocatas nas festas de padroeiros das cidades vozinhas, como Patu, Felipe Guerra, Umarizal, Janduís, Olho D’agua do Borges. Era uma grande alegria. No passado, aqui na região só tinha as bandas de Caraúbas, Campo Grande e Mossoró”, revive.

Joaquim Amâncio

Inicialmente sem nome, no ano de 1939 foi nomeada Charanga Musical Coronel Rozendo Fernandes, como agradecimento a vultosa quantia doada ao grupo.

Posteriormente, é que foi nomeada como é hoje. Como forma de reconhecimento pela frequente manutenção dos instrumentos e luta constante pela continuidade da banda, Joaquim Amâncio – que passou 45 anos como maestro (1922-1967) – foi homenageado com a nomeação da banda.

A banda em 1958

Por muito tempo, a banda de música pertenceu à Paróquia de São Sebastião. Passou a ser municipalizada na década de 70, com a realização, inclusive, de um concurso público.

Atualmente, a Banda de Música Maestro Joaquim Amâncio está sob a regência do maestro José Nilton Santos da Costa, conhecido como Costinha.

A banda de música e a festa de São Sebastião são nossos patrimônios históricos e culturais mais antigos. É de grande relevância pela sua idade e por manter vivas memórias, histórias e a tradição musical no município. A festa e a banda fazem esse momento mais alegre, mais festivo, de confraternização, de encontro, de apreciar uma boa música, de fazer pedidos, realizar memórias de amores passados, pessoas que já se foram. São momentos de reviver a história a cultura e de fato se confraternizar”, afirma Miquéias Mizá, secretário de Cultura de Caraúbas.

Sou uma eterna apaixonada pela festa de São Sebastião, tanto pela parte religiosa, quanto pela parte social. Se Deus quiser em 2024, e São Sebastião vai permitir, a gente esteja bem e com saúde para acompanhar a banda em Caraúbas”, finaliza Osana.

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.