Além das mãos: grupo cênico de Mossoró leva inclusão aos palcos
Natal, RN 22 de fev 2024

Além das mãos: grupo cênico de Mossoró leva inclusão aos palcos

4 de fevereiro de 2024
10min
Além das mãos: grupo cênico de Mossoró leva inclusão aos palcos

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Um exemplo de como a expressão corporal é linguagem que transcende as barreiras do som. É assim que jovens surdos estão vivendo a experiência de se tornarem atores, subindo aos palcos do Rio Grande do Norte e concretizando o ideal de inclusão na arte potiguar, quiçá no Brasil. O Grupo Cênico Além das Mãos (Grucam) já realizou oficinas de teatro com 15 jovens surdos numa parceria entre a Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (Uern), através da Pró-reitoria de Extensão (Proex), e a Associação de Surdos de Mossoró e Região (Asmor). Hoje, tem um espetáculo montado, de mesmo nome do Grupo, que estrou, em setembro, como convidado do Festival de Teatro da Uern (Festuern), de 2023.

Enriquecendo a experiência cultural dos novos atores, o objetivo da iniciativa foi inserir pessoas surdas em espaços de interação e aproximação com a arte, teatro e dança. O projeto não apenas quebra preconceitos, mas também oferece uma experiência única aos espectadores.

O trabalho pode ser uma referência de inclusão na arte no Brasil, porque é muito difícil ter trabalho de surdos dentro do teatro e, quando se tem, é através da língua de Libras, o que acaba restringindo a compreensão às pessoas surdas. No que a gente está fazendo, não utilizamos as Libras. A gente fez um trabalho que não tem linguagem verbal, claro, mas se dá pela via corporal, e todas as pessoas podem compreender, da criança ao idoso, sendo surda ou ouvinte, não tem barreira”, afirma Dionízio do Apodi, diretor do projeto e realizador juntamente com a atriz Renata Soraya, ambos da Direção de Educação, Cultura e Arte (Deca) e também coordenadores dos grupos de Teatro (Grutum) e Dança (Grudum), da Uern.

Projeto parecido já havia sido realizado por eles em Apodi, com apresentações pela zona rural da cidade e também no Itaú Cultural, em São Paulo, hoje referência em acessibilidade na avenida Paulista, segundo Dionízio.

Contemplado pelo edital do projeto "Devolver para Reparar", do Tribunal de Justiça do RN, com verba pecuniária destinada à entidade para desenvolvimento do projeto cultural, o “Teatro Além das Mãos” é uma das 10 iniciativas contempladas com recursos de penas alternativas à prisão, aplicadas pela Justiça, referentes a crimes de menor potencial ofensivo com o pagamento em dinheiro.

Com os recursos, o espetáculo pôde ser planejado sem sobressaltos e uma composição “tranquila” dos figurinos, maquiagem e roteiro. Depois da estreia no Festuern e de se apresentar em bairros da periferia, o projeto foi aprovado pela Lei Paulo Gustavo no município e vai iniciar circulação por dez escolas da rede pública. O diretor conta que já receberam, além disso, vários convites para se apresentarem em outros municípios do RN.

Devagarzinho a gente não tem dúvidas que esse projeto vai além Rio Grande do Norte, eu não tenho dúvidas que há algo muito forte nele, que é uma originalidade que a gente não encontra em outros trabalhos com pessoas surdas”, completa Dionízio.

Espetáculo Além das Mãos

Teatro Além das Mãos é um espetáculo com duração de trinta minutos, com atuação dos atores Carlos Eduardo e Wellington Matheus, dirigidos por Renata Soraya e Dionízio do Apodi. A peça é uma comédia composta por três quadros que enfocam questões simples de nosso cotidiano, como uma pescaria, uma fila de banheiro e uma partida de futebol, mas que acabam sendo suficientes para uma viagem lúdica pelo universo de um teatro que busca o sorriso e faz refletir.

De maneira fluida, os artistas utilizam gestos expressivos como linguagem universal para transmitir, de forma divertida, cada momento. De acordo com o idealizador, a expressividade corporal é muito mais forte na pessoa surda do que no ouvinte, porque este, por ter a linguagem verbal, não precisa necessariamente do corpo para ser compreendido. Entretanto, a limitação na audição não é um condicionante para conferir o destaque destas pessoas nas oficinas e no espetáculo. Segundo Dionízio, “eles são talentosos porque são talentosos, se envolvem, têm interesse”.

O teatro sempre foi muito inclusivo, aceita dentro dele todas as pessoas, independentemente de qualquer ausência que a pessoa possa ter. Isso sempre foi muito forte no teatro. Não à toa, pessoas que se identificam dentro da sigla LGBTQIA+ sempre tiveram espaços de expressão. Essa coisa natural do teatro acaba sendo natural também para os surdos, pensando nas possibilidades de trabalho. Sim, gera inclusão, mas o primeiro desafio é: pessoas queriam fazer teatro. E aí a gente propiciou essa possibilidade dessas pessoas se expressarem através do cênico. A inclusão que isso toma depois é outra coisa, e é importante que se discuta, que se fortaleça, mas tem essa coisa de ser natural”, complementa.

______________________________________________________________________________

Essa reportagem faz parte do projeto "Saiba Mais de perto", idealizado pela Agência SAIBA MAIS, e financiado com recursos do programa Acelerando Negócios Digitais, do ICFJ/Meta e apoio da Ajor.

Leia também:

Projeto Saiba Mais de Perto combate "desertos de notícias" no RN

Tibau: Estudantes participam da maior feira de ciências do mundo

Aldeia Sesc Seridó reúne artistas de Caicó em Cortejo Cultural

Comerciante morre em acidente por buraco na Zona Norte de Natal

Coletivos independentes movimentam a sétima arte em Mossoró

Seridó: Aos 93 anos, Maria Albino faz doces para acolher pessoas

Depois te Conto: jovens da Zona Norte criam série independente de humor

Caatinga:  famílias vivem da natureza no Parque Nacional da Furna Feia

CMEI na Zona Norte realiza exposição inspirada em Ariell Guerra

Currais Novos: Congresso das Batalhas reuniu artistas de Hip Hop

Maior produtor de atum do RN não leva pescado à mesa areia-branquense

Caicoense transformou a dor do luto em homenagem para 40 mulheres

Como resiste o afroempreendedorismo do outro lado da ponte

Medalhista mundial de Taekwondo conheceu esporte em associação de Assu

“No Seridó a Reza é Forte” destaca indígenas e africanos no RN

Zona Norte: projeto da UFRN leva comunicação para escola pública

Em Ouro Branco, a preservação do patrimônio coloriu a cidade

Fábrica de polpa de frutas transforma vida de mulheres agricultoras

As chuvas fortes em Natal e o caos na Zona Norte

Com 74 anos, Manoelzinho produz telas em latonagem e fotocorrosão

Patu: Cineatro leva reflexão social a estudantes de escolas públicas

Redinha: trabalhadores seguem desamparados após 3 meses de protestos

Jornal impresso “Quinzenal” resiste há 19 anos em Caicó

MPRN terá ação do projeto Pai Legal na Zona Norte

Saudade estimula artista a eternizar história de Upanema em quadros

Advogada levou o sertão poético de Caicó para Paris

Serra do Mel: rádio comunitária leva o bem à Vila Amazonas

DER responsabiliza prefeitura por acúmulo de areia na João Medeiros

Jurema Coletivo de Dança traz dança contemporânea para Caicó

“Fugi da prisão”: superação torna Chico Filho imortal em Martins

Trancistas: a valorização da cultura afro-brasileira na Zona Norte

Em São José, um guardião da história criou o Museu da cidade

Disputa política e judicial causa insegurança em Porto do Mangue

Natal sem Natal: Zona Norte reivindica eventos e decoração natalina

População faz mobilização pela volta de Cherie para Caicó

Tradição em Caraúbas: banda de música prepara festejos a São Sebastião

Cmei da Zona Norte prepara Natal Solidário das crianças

Ipueirense visita sítios e faz arte em madeira morta

Portalegre: Crianças quilombolas têm contato com ciência em pesquisa

Auto de Natal: espetáculo envolveu mais de 200 atores na Zona Norte

Dedicados à tecnologia, estudantes do IFRN são aprovados no INTELI

Em Areia Branca, minicidade vai levar crianças a exercitar a cidadania

Arte-Educador da Zona Norte levou arte com mosaicos para ExpoFavela

Projeto Trapiá Semente cria grupos de teatro pelo Seridó

Apodi: 1º museu indígena do RN preserva memória dos Tapuia Paiacus

Zona Norte: reforma da Ponte do Igapó piora trânsito e incomoda região

Seridó é guardião do Doce Seco, uma sobremesa quase extinta

Costa Branca: fogos na virada do ano serão sem ruídos

Lei Paulo Gustavo fomenta criação de documentários sobre o Seridó

Zona Norte: pontes interditadas geram insegurança à virada do ano

Adolescente de São José do Seridó é destaque do Unicef Brasil

Casa paroquial guarda história de Lampião em Marcelino Vieira

A resistência dos pequenos artistas da Zona Norte

Geógrafo de São João do Sabugi cria cartilha sobre o bioma da Caatinga

Mangue é cenário para restaurante em Grossos

Redinha: prefeitura promete Mercado para março; trabalhadores duvidam

Caicó e Acari conquistaram quatro prêmios do Troféu Cultura 2023

Patu ganhará Via Sacra com 33 esculturas de concreto

Grupo Reviver realiza mamografias na Zona Norte

Em Jucurutu, Recanto da Tapera tem afeto e história no prato

Mossoró: estudante surda lança livro após ganhar prêmios de ciências

Skatistas da Zona Norte devem ganhar espaço próprio para atividade

Esmeraldina e Priscila Candice: a missão pelos animais em Caicó

São João do Sabugi realiza “Zé Pereira” há mais de 100 anos

Em Umarizal, famílias aguardam sinal para substituir parabólica

Há 20 anos, Lar da Dona Fátima acolhe animais na Zona Norte

Em prol da comunidade, Dona Maria acolhe ações sociais em Caicó

Promessa tornou areia-branquense 1ª mulher condutora do Samu no RN

Artistas de Graffiti levam resistência e cor para Zona Norte

Acari e Ipueira tiveram alunos do IFRN com 1000 na redação do Enem

Segundo maior cajueiro do mundo pode estar em Grossos

2ª edição da Virada Cultural da Zona Norte acontece neste sábado (27)

Cemitérios históricos de São Fernando: preservação e tradições

Tibau: amantes do vinil unem música e praia neste veraneio

Há 36 anos, Banda do Siri resiste e fortalece o carnaval da Redinha

Quilombolas de Ipanguaçu fortalecem raízes pela dança e o audiovisual

Vic Kabulosa: voz e resistência preta e LGBT da Zona Norte 

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.