Conselho da UFERSA confirma Codes na 1ª colocação da Lista Tríplice
Natal, RN 21 de mai 2024

Conselho da UFERSA confirma Codes na 1ª colocação da Lista Tríplice

20 de abril de 2024
4min
Conselho da UFERSA confirma Codes na 1ª colocação da Lista Tríplice

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Com 22 votos à favor, dos 23 possíveis, o professor Rodrigo Codes foi mantido na primeira colocação da Lista Tríplice para reitor da UFERSA, na gestão 2024-2028. A decisão foi tomada em Assembleia Extraordinária do Conselho Superior da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (Consuni/UFERSA), na tarde de sexta-feira (19). Um conselheiro não se fez presente para votar.

Dessa forma, o resultado manteve em primeira colocação os nomes dos professores Rodrigo Nogueira Codes, para o cargo de reitor e, Nildo Dias, para o cargo de vice-reitor.

A votação também manteve o nome da professora Ludimilla Oliveira e da professora Monique Lessa, na segunda colocação e, do professor Jean Berg e Manoel Quirino, na terceira colocação. A partir de agora, o Consuni tem 5 dias uteis para enviar a Lista Tríplice ao Ministério da Educação.

“Momento histórico e de agradecimento pela prevalência da democracia na Universidade. Espero uma transição tranquila e harmoniosa, pois estamos muito motivados para trabalhar pela Universidade”, afirmou Rodrigo Codes, confiante na sua nomeação de reitor pelo presidente da república Luiz Inácio Lula da Silva.

Decisão do Conselho põe fim à questionamentos ao processo eleitoral

Na semana passada Ludimilla Oliveira havia questionado o processo eleitoral, levantando dúvidas sobre o sistema de votação utilizado pela universidade, o SigEleição. A suspeita era de que um estudante que não estava na lista de eleitores aptos a votar conseguiu participar da votação. Com isso, foi solicitado que a Superintendência de Tecnologia da Informação e Comunicação (SUTIC), que controla o sistema eletrônico Sigaa da universidade, provasse a segurança do sistema de votação, pedindo uma perícia com urgência no sistema.

Em resposta, a SUTIC produziu um relatório, divulgado nesta sexta-feira (12) reafirmando a segurança do sistema SigEleição, e mostrando que não houve problemas com a segurança do processo eleitoral.

O SigEleição é um sistema desenvolvido pela UFRN em 2011 e em abril de 2021 já havia passado por mais de 1700 eleições só naquela instituição […] O sistema hoje é usado por dezenas de instituições […] No âmbito da UFERSA o sistema já foi usado em mais de 500 votações de colegiado de curso a Reitoria e Membros dos Conselhos Superiores, com pleno sucesso e aceitação pela comunidade acadêmica”, argumentou o relatório da SUTIC.

A Superintendência ainda explicou que - para proteção da privacidade do eleitor e inviolabilidade do voto - não é possível ter acesso aos candidatos que exerceram o voto, mas garantiu que só exerceu a ação aqueles que estavam aptos a votar. “O sistema possui funcionalidade de emitir lista de eleitores aptos a votar, mas, para proteção da privacidade do eleitor e inviolabilidade do voto, não há no sistema relatório que traga a lista das pessoas que efetivamente votaram (votantes). Nem comissão nem SUTIC têm acesso a qualquer informação de quem votou […] Mas pode-se afirmar que só votaram os que atendiam às condições definidas pela Comissão Eleitoral”, argumentou o documento.

Além disso, a SUTIC reafirmou a segurança do processo que analisa os aptos a votar. “ A emissão de listas de eleitores costuma cumprir dois papéis neste processo com a mesma finalidade: identificar eleitores incluídos ou excluídos indevidamente de um processo de votação. Em todo processo eleitoral desde o início do uso do SigEleição, as listas de eleitores são enviadas para a comissão para que seus membros possam identificar distorções e, frequentemente, as comissões encaminham estas listas à comunidade de eleitores para que, individual ou coletivamente, os próprios eleitores também realizem verificações e sugiram correções dentro dos prazos estipulados”, continuou o relatório.

Apesar disso, em ofício enviado ao Consuni nesta sexta (12), Ludimilla questionou a consulta à lista tríplice da Ufersa, e ainda afirmou que encaminhará o processo de consulta à Polícia Federal, “para a devida apuração dos fatos”.

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.