Extraordinarices
Natal, RN 24 de mai 2024

Extraordinarices

6 de abril de 2024
3min
Extraordinarices

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Quem me acompanha sabe que escrevo sobre coisas ordinárias. Escrevo sobre experiências do cotidiano, sobre diversão, família, pets, (des)amores... Escrevo sobre direitos, violências, sonhos, memórias afetivas, conquistas, festas e shows... Escrevo sobre comida, religião e fé, educação, literatura, trabalho, noitadas, “sexo, drogas e rock´n´roll”, chuva e choro...

Escrevo coisas ordinárias para que todas as pessoas percebam algumas coisas: Primeiramente que nossas vidas Trans são mais próximas às vidas cis que se imagina; em segundo lugar, porque coisas ordinárias são riquíssimas de humanidade e podem ser extremamente interessantes; e por último, e talvez a mais importante delas, para que se deem conta de que uma mulher Trans/Travesti é tão ordinária e tem direito a viver essas experiências cotidianas todas quanto qualquer outra pessoa.

Entenda “ordinário” como comum, regular, repetitivo, diário...  Entenda que a vida de uma pessoa Trans/Travesti deveria disfrutar dessa “ordinarice” sem assombros, sem violências, sem interrupções, sem proibições, sem exclusões... Deveria ser assim: Vida Transordinária!!!

Escrevo coisas ordinárias porque sou ordinária a ponto de me dar o direito à erudição, à educação, aos prestígios que não deveriam ser entendidos como prestígios, mas conquistas ordinárias – assim como o é para a maioria das pessoas, sobretudo aquelas autoproclamadas cisnormativas.

Escrever sobre coisas ordinárias me apresenta como alguém que fala, escreve, pensa e debate assuntos ordinários, temas do dia a dia, coisas que podem interessar a todas as pessoas, lugares comuns e/ou interesses particulares e esdrúxulos. O imaginário coletivo reduz os interesses de mulheres Trans/Travestis exclusivamente ao sexo, à safadeza, à sacanagem, à fuleiragem.... Podem fazer isso se assim quiserem, claro! 

Mas há um mundo ordinário de possibilidades ordinárias para além do sexo-ordinário-nosso-de-todo-dia que faz parte do radar de nossos interesses. E para além dele, há outro mundo, um mundo extraordinário de possibilidades extraordinárias que também faz parte do cardápio de desejos de muitas de nós (mulheres Trans/Travestis).

Há um mundo de temas e assuntos e interesses EXTRAORDINÁRIOS que também sacia nossos gostos, nossos horizontes de sonhos, nossos escopos de vontades. A educação, a formação, o conhecimento, a erudição é um deles. Está no meu menu. Faz parte das minhas “ordinarices”, apesar de questionamentos, violências e interrupções já terem me assinalado que eu, por ser uma mulher Trans/Travesti, deveria desistir disso. “Não é da conta de uma Travesti.”

No imaginário coletivo o ordinário para uma mulher Trans/Travesti é a prostituição, é a fetichização, é a comercialização de nossos corpos e gozos... Mas, como afirmo aqui... essa ideia está em um IMAGINÁRIO COLETIVO, e ele tem a obrigação de ceder ao IMAGINÁRIO INDIVIDUAL de cada uma de nós, que sonhamos, desejamos e planejamos “EXTRAORDINARICES.” 

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.