Campanha para o Governo é um pupurri de emoções
Natal, RN 13 de abr 2024

Campanha para o Governo é um pupurri de emoções

18 de abril de 2018
Campanha para o Governo é um pupurri de emoções

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Receber a proposta do amigo velho de guerra Rafael Duarte para colaborar semanalmente no Saiba Mais foi mais que um convite, foi uma convocação, admirador que sou da proposta e da militância jornalística do portal. Continuo editor do Portal Potiguar Notícias, claro, onde tenho coluna e os leitores e leitoras podem conferir meus escritos e rabiscos, porém, agora toda quarta-feira também estou aqui com textos inéditos e exclusivos.

A ideia é dar pitaco em (quase) tudo, quem acompanha o que escrevo sabe que meus interesses e temas gravitam de cinema francês à culinária árabe, mas, em tempos de pós-Golpe, pré-campanha eleitoral e prisões políticas, pretendo centrar minha munição no tema político. E não somente mirar confortavelmente nos políticos de Brasília, imunes às críticas papa-jerimuns, mas sim na política local, cheia de incógnitas e contradições, a reboque do que vem sendo a política nacional há alguns anos.

De cara, salta aos olhos a largada para a campanha para o Governo do Estado (ou melhor pré-campanha), já com nomes de peso na disputa, particularidades, dúvidas e possíveis análises. O raciocínio inicial é que pela primeira vez, pelo menos que eu me lembre, teremos quatro candidaturas com chances reais de vitória na disputa.

São elas senadora Fátima Bezerra (PT), ex-prefeito de Natal Carlos Eduardo Alves (PDT), governador Robinson Faria (PSD) e vice-governador Fábio Dantas (eleito pelo PC do B mas recém-filiado ao PSB). As quatro com incógnitas, dilemas e possibilidades. E algumas perguntas. Vamos a cada uma delas:

Fátima larga com uma vantagem considerável: Não arrisca o mandato de senadora, garantido até 2020, e em grande parte devido ao trabalho intenso no Senado e a posição firme em relação a Dilma e Lula, lidera todas as pesquisas de intenção de voto. Os questionamentos sobre sua candidatura gravitam sobre o efeito nacional: Qual o impacto de uma não-candidatura de Lula a presidente sobre a candidatura Fátima? Se Lula cair nas pesquisas nacionais, como ficará a situação da senadora? Sem aliança com PHS e PC do B, a candidatura Fátima tem alguma chance? Como lidar com os palanques limitados no interior do Estado?

Já Carlos Eduardo flertava com a candidatura ao Governo (que ele tentou em 2014) desde que reeleito para a Prefeitura de Natal. Não sai dela com a aprovação que sonhava, mas conta com a misteriosa relação umbilical que tem com o eleitor natalense (herança de Wilma?) para arregimentar um caminhão de votos em Natal e região e não fazer feio no interior do Estado e em Mossoró. As perguntas que o cercam são as seguintes: Henrique Alves estará em seu palanque e, em estando, ajuda ou atrapalha? O sobrenome Alves ainda tem força eleitoral no interior do Estado?

Com Fátima e Carlos usando e abusando da bandeira da oposição ao Governo do Estado, caberá a Robinson a tarefa inglória e quase quixotesca de fazer um campanha defendendo uma gestão que naufragou miseravelmente na Segurança Pública e no tratamento ao Funcionalismo Público, sem ter apresentando exatamente bons resultados em áreas como Saúde, Educação e Cultura. Não se deve descartar que Robinson desista de tentar a reeleição, mas ele próprio sabe que paradoxalmente talvez seja sua única chance real de sobrevivência política. A pergunta, única, que o cerca, é: conseguirá resolver em tempo recorde o pagamento dos servidores estaduais e minimizar a insegurança no Estado para poder ter algo palpável a oferecer para o eleitor?

Por fim, a candidatura paradoxal de Fábio Dantas. Homem de bastidores, politicamente preparado, vive e terá de conviver na eleição com a questão que também é a única pergunta a ser feita: como o eleitor vai encarar o fato que ele levou 3 anos e 3 meses para perceber, digamos, o caos que o Estado se encontra e romper e criticar o governador Robinson? Que Fábio tem trânsito nas hostes políticas e no Agreste e no Seridó, é sabido. Resta saber como o eleitor destes lugares vai avaliar seu papel na gestão Robinson. Que se for bem avaliada subitamente vai beneficiar o próprio Robinson, não a Fábio.

Enfim, muitas perguntas e entre poucas certezas, uma que salta aos olhos: esta campanha não permitirá ao candidato ou candidata que deseja vencer cometer nenhum erro. As avaliações exatas do cenário - que poderá mudar a qualquer momento - serão decisivas para a vitória de quem quer que seja.

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.