Número de nascimentos no RN cai em 2020, com início da pandemia
Natal, RN 30 de mai 2024

Número de nascimentos no RN cai em 2020, com início da pandemia

13 de agosto de 2021
Número de nascimentos no RN cai em 2020, com início da pandemia

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Depois de anos de crescimento na taxa de natalidade, o número de nascimentos no Rio Grande do Norte começou a cair em 2020, quando começou a pandemia do novo coronavírus. Segundo o portal da transparência do Registro Civil (que centraliza número de mortes e nascimentos de todo o País), em 2015 o estado teve 22.859 nascimentos, em 2016 foram 30.205, em 2017 mais 36.812 potiguares nasceram, em 2018 tivemos outros 43.563 nascimentos e, em 2019, o número ficou próximo do ano anterior, mas ainda com pequeno crescimento num total de 43.609 bebês recém-nascidos.

É a partir de 2020, ano em que foi decretada a pandemia da covid-19 pela Organização Mundial de Saúde, que a taxa de nascimentos começa a cair no Rio Grande do Norte. Ao todo, foram registrados 40.258 recém-nascidos em 2020. Enquanto isso, até o momento, o estado teve em 2021 um total de 25.085 nascimentos, o que aponta para a manutenção da média do ano passado, quando foi iniciado o processo de redução no número de nascidos no RN. Enquanto em 2020 nasceu uma média de 3,3 pessoas por mês, em 2021, essa média está em 3,5 pessoas.

Nascimentos no RN

2015: 22.859

2016: 30.205

2017: 36.812

2018: 43.563

2019: 43.609

2020: 40.258

2021: 25.085 (até julho)

Foto: Jaelson Lucas/ SMCS

O comportamento de queda na taxa de natalidade no Rio Grande do Norte segue uma tendência nacional de redução no número de nascimentos diante da pandemia do novo coronavírus. No Brasil, o número de nascidos em 2020 foi o menor já registrados nos últimos 26 anos. Segundo o Sistema de Informações de Nascidos Vivos (Sinasc), do Ministério da Saúde, foram 2.687.651 nascidos no ano passado e 2.849.146 em 2019, uma queda de 5,66% de acordo com os dados tabulados pelo Estadão.

Os nascimentos já seguiam em ritmo de queda no Brasil, porém, em um ritmo menos acelerado. O impacto da pandemia foi maior até mesmo do que o do surto de Zika, quando muitas mulheres adiaram a gravidez por causa do risco de microcefalia nos bebês. Nessa época, entre os anos de 2015 e 2016, a queda nos nascimentos foi de 5,3%.

A última vez que o Brasil teve registro de nascimentos menor do que o de 2020 foi em 1994, quando 2.571.571 bebês nasceram. Levantamento feito pela revista The Economist também mostrou tendência de queda nos nascimentos em países de renda mais elevada, enquanto os nascimentos continuavam em alta nos países de menor renda.

RN bate recorde mensal de mortes em 2021 e mais de 30% das vítimas são de Covid

Nunca morreram tantas pessoas no Rio Grande do Norte quanto no primeiro semestre de 2021. Este ano, até o início de julho, o Portal de Registro Civil, mostrava que os cartórios do Estado já emitiram 12.434 registros de óbitos em 2021. Isso representa uma marca nunca alcançada de 2.056 casos por mês. Ano passado, já com efeitos da pandemia da Covid-19, a média mensal de mortes no RN ficou em 1.642 registros.

Quando cruzamos os dados de registro de óbitos com os casos confirmados de mortes por Covid, há um número ainda mais alarmante. O impacto do vírus na mortandade de pessoas no RN dobrou nos primeiros seis meses deste ano em relação a 2020. O Covid foi responsável por 15% das mortes registradas no RN em 2020. Este ano, esse percentual dobrou e saltou para 30%.

Pelos dados do boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde (Sesap) do dia 31 de dezembro do ano passado, até aquela data tinham sido confirmados 3.080 óbitos por Covid no RN e outras 474 mortes estavam em investigação. As informações do mais recente boletim da Sesap, divulgado nesta quinta (12) mostram que 7.199 mortes foram confirmadas desde o início da pandemia e que outros 1.443 óbitos estão sendo investigados. As mortes confirmadas por Covid em 2021 representam 30% do número total de registros no Rio Grande do Norte. E, levando em consideração a quantidade de casos em investigação, essa relação pode aumentar ainda mais.

Crescimento da média mensal de mortes mais que dobrou em 2021
O Portal Registro Civil integra os dados dos cartórios de todo o país e essa centralização de informações teve início em 2015. Nesse período, o número de mortes registradas no RN vem crescendo ano a ano. Mas aumentou além da média em 2020 e, caso continue na mesma proporção do primeiro semestre deste ano, o RN pode chegar em dezembro com a marca histórica de quase 25 mil mortes no ano.

O número total de mortes registradas nos seis meses deste ano já supera o total de óbitos de todo o ano de 2017, quando foram registrados 10.094 casos. Entre 2020 (já com Covid) e 2019 (sem a influência da pandemia), o crescimento da mortandade no Estado foi de 10% (passando de 17.968 registros para 19.710). Este ano, esse crescimento mais que dobrou e já é – em média mensal – 25% maior. Ou seja, em 2020 houve uma média mensal de 1.497 mortes registradas no RN e este ano essa média é 2.056 mortes/mês.

Registro de óbitos RN
2016 – 9.352 registros emitidos – Média mensal – 779/mês
2017 – 12.094 registros emitidos – Média mensal – 1.007/mês
2018 – 15.321 registros emitidos – Média mensal – 1.276/mês
2019 – 17.968 registros emitidos – Média mensal – 1.497/mês
2020 – 19.710 registros emitidos – Média mensal – 1.642/mês
2021 – 12.434 registros emitidos – Média mensal – 2.056/mês

Número de mortes por Covid
Até 31 de dezembro de 2020
2.993 mortes confirmadas e 474 em Investigação

De 01 de janeiro de 2021 até 2 de julho de 2021
3.727 mortes confirmadas e 1.452 em investigação

Total mortes desde início da pandemia 6.807 mortes por Covid (até 02/07/2021)

Fonte: Portal Registro Civil e Boletim Epidemiológico da Sesap

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.