Quantas igrejas Lula já fechou?
Natal, RN 13 de abr 2024

Quantas igrejas Lula já fechou?

24 de janeiro de 2023
4min
Quantas igrejas Lula já fechou?

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Nesta terça-feira completam 24 dias que Lula tomou posse. Recapitulemos alguns pontos:

Neste período nenhuma igreja cristã foi fechada. Nenhum líder religioso foi preso ou sofreu qualquer coisa.

Nenhuma escola pública recebeu "kits gays" e nenhuma creche ganhou mamadeiras com bico em formato de piroca.

Nestes 24 dias o Governo Lula também não instituiu no país nenhuma ditadura comunista e ninguém foi obrigado a ler livros de Marx e Lênin.

Também ninguém teve que dividir seu imóvel, seja uma mansão, um triplex (ops) ou um apartamento básico de dois quartos com pessoas dos movimentos Sem Terra ou Sem Teto.

Ninguém foi obrigado a se casar com pessoa do mesmo sexo e nenhuma "ditadura gay" foi instalada. Da mesma forma nenhuma mulher foi obrigada a abortar.

Não "viramos uma Venezuela", seja lá o que isso signifique. Também não viramos Cuba, nem para o bem nem para o mal.

Enfim, nada disso que escrevi acima aconteceu. Fiz essa lista de maneira didática, quase pueril embora em tom de ironia, para enfatizar o estrago das fake news nos grupos de zap, no eleitorado, na comunidade, nas relações interpessoais, no país.

Mais que isso, para mostrar como é necessário de maneira urgente e planejada combater na fonte as notícias falsas. Porque tudo isso acima foi repassado nos grupos de zap como verdades absolutas que aconteceriam se Lula fosse eleito.

Bem, Lula foi eleito, subiu a rampa, tomou posse e está governando. E aí? Que tal cada um de nós questionar seu bolsonarista de estimação e perguntar a ele se as profecias ainda vão acontecer? Perguntar de forma aberta aos tios e tias que passaram meses compartilhando fake news se algumas delas já se concretizaram.

Quando falo de combater as fake news na fonte registro justamente isso: que substituamos as indignações vazias em grupos de zap de colegas progressistas, os debates sem fim no Twitter, aspostagens épicas de Facebook e saiamos na zona de confro de quem pensa como nós e aproveitemos o momento histórico para confrontar os disseminadores de fake news com a realidade. Não proponho diálogo com fanáticos, com membros da seita bolsonarista que acampavam em quartéis e acreditam que Jair é o Messias, mas sim com os eleitores circunstanciais de Bolsonaro, os antipetistas, os direitistas moderados.

Fazer chegar a verdade (ou melhor, o confronto de que tais informações eram inverdades) a quem precisa. Ao tiozão conservador, à tiazinha simpática mas que acredita em tudo, ao cunhado truculento.

Dia desses fiz isso. Num barzinho do principado de Nova Parnamirim que gosto muito, um dos donos, de direita, perguntou se eu estava feliz porque Lula ia dar dinheiro para os artistas (mais uma vez as fake news sobre a Lei Rouanet funcionando a todo vapor). Respondi, que na verdade estava feliz porque Lula e Alckmin estavam fechando as igrejas e prendendo os pastores. Ele me olhou sério e disse: "Isso não está acontecendo". Sorri e respondi: "Eu sei". Ele se tocou da armadilha que preparei e de como tinha caído na fake news das igrejas e pela cara que fez, começou a se perguntar se o tal "dinheiro para os artistas" também não poderia ser uma mentira.

Afinal de contas, perguntemos para quem ataca Lula com fake news: Quantas igrejas Lula já fechou desde que assumiu?

Cartas para a redação.

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.