MP recorre ao STF para invalidar decisão do TCE sobre aposentadorias
Natal, RN 16 de abr 2024

MP recorre ao STF para invalidar decisão do TCE sobre aposentadorias

21 de fevereiro de 2024
8min
MP recorre ao STF para invalidar decisão do TCE sobre aposentadorias
Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Norte | Foto: Reprodução/Inter TV Cabugi

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF) para tornar sem efeito um acórdão do Tribunal de Contas do Estado (TCE) que trata sobre o regime previdenciário de servidores públicos potiguares com estabilidade excepcional.

O TCE determinou em um acórdão publicado em dezembro que servidores estaduais não concursados até cinco anos da Constituição de 1988 devem se aposentar até abril pelo Instituto de Previdência dos Servidores Estaduais (Ipern). Caso contrário, haverá migração do Ipern para o INSS, com o Regime Geral de Previdência Social (RGPS).

Servidores protestam contra decisão do TCE sobre aposentadorias no RN

TCE explica decisão sobre aposentadorias de servidores não concursados

Sindicatos do RN fazem nota unificada questionando decisão do TCE

O MPRN pediu na reclamação que seja concedida tutela provisória “para evitar dano irreparável”, suspendendo os efeitos da decisão do TCE até o julgamento da reclamação. Segundo o órgão, o acórdão do TCE afronta a Súmula Vinculante nº 43 do STF, viola quatro decisões de quatro diferentes Ações Diretas de Inconstitucionalidade do próprio RN e ainda desrespeita a competência do plenário do Supremo Tribunal Federal.

A reclamação, pedida pelo MP, é um instrumento jurídico que tem por objetivo invalidar ato jurisdicional ou administrativo que desrespeita a autoridade do STF, foi protocolada nesta segunda-feira (19) e distribuída para relatoria do ministro Nunes Marques.

Para o secretário de Administração do Estado, Pedro Lopes, a linha de encaminhamento do Ministério Público é diferente da linha do governo, embora o alvo seja o mesmo. 

“A gente quer suspender os efeitos da decisão do acórdão. Estamos discutindo isso no MP de Contas, mas a nossa linha de argumentação é por um lado e a do Ministério Público nos parece que é por outro. Estão querendo questionar porque tem outras ADIs relacionadas e querem discutir o efeito da decisão do STF sobre aquelas outras ADIs que também discorrem sobre temas análogos”, explica.

“No geral, apesar de parecer que há um alinhamento com o governo, mas os objetivos para a contestação ao TCE são diferentes”, enfatiza.

Já Rosália Fernandes, coordenadora do Sindicato dos Trabalhadores em Saúde do RN (Sindsaúde-RN), diz que a posição do MPRN de entrar com um recurso “na verdade é uma anulação de todos os efeitos do acórdão do TCE”. 

“Inclusive no sentido de dizer que o Tribunal de Contas do Estado não pode fazer nenhuma modulação, nem de garantir a questão dos que já estão aposentados permanecerem dentro do regime do Ipern, nem também aquele prazo que foi dado para que as pessoas que reúnem os requisitos possam se aposentar até o dia 25 de abril. Ou seja, é de não ter nenhum direito e não se garantir nada, é de que todas essas pessoas que entraram antes de 1988 não possam de forma nenhuma estar aposentadas — os que já estão — ou os próximos se aposentarem pelo regime próprio, que elas têm que ir ao regime geral”, diz a sindicalista.

A reclamação

O MPRN reforça que o pedido de antecipação de tutela se deve porque o acórdão do TCE confere a data de 25 de abril deste ano como prazo para aqueles servidores do RN com estabilidade excepcional ou que foram admitidos no serviço público sem concurso “que completem os requisitos para se aposentar e [que] efetivamente se aposentem”. 

“Tendo em vista a proximidade desse prazo, é evidente que a ilegalidade reclamada pode dar azo a uma crise no sistema de previdência social própria dos servidores potiguares, já que a decisão garante a um incontável número de servidores a aposentadoria pelo RPPS acaso se aposentem até o derradeiro dia 25 de abril do presente ano”, alega o MP.

No pedido, o Ministério Público destaca que o acórdão do TCE resguardou situações funcional e previdenciária de servidores públicos investidos em seus cargos de forma inconstitucional, em evidente afronta ao que dispõe uma súmula do próprio STF.

O acórdão do TCE, diz o documento, preserva “as situações funcional e previdenciária consolidadas, inclusive a filiação no Regime Próprio de Previdência Social (RPPS), exclusivamente para fins de concessão de aposentadoria” dos “ocupantes de cargo de natureza permanente, que ingressaram até a promulgação da CF/88 (05/10/1988), estabilizados (art. 19 da ADCT) ou não, ainda que sem prévia aprovação em concurso público e não efetivados posteriormente por submissão ao certame”.

Para o MPRN, a decisão do TCE desrespeita a tese estabelecida na Súmula Vinculante nº 43 do STF, na medida em que preserva “modalidade de provimento que propicie ao servidor investir-se, sem prévia aprovação em concurso público destinado ao seu provimento, em cargo que não integra a carreira na qual anteriormente investido”

Desse modo, segundo o Ministério Público, a Corte de Contas local não observou os limites da Súmula Vinculante 43, expressamente consolidando a situação funcional e previdenciária de servidor investido em carreira pública sem o devido concurso, conforme prevê a Constituição Federal.

Ainda na reclamação, o MPRN reforça que o acórdão do TCE afronta, de modo direto, o entendimento do STF em quatro diferentes ações diretas de inconstitucionalidade que tratam de situações do Rio Grande do Norte:

  • ADI 1301/RN, na qual foi declarada a inconstitucionalidade da extensão dos efeitos da estabilidade excepcional do art. 19 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT) “aos empregados de empresas públicas e de sociedades de economia mista”;
  • ADI 1241/RN, onde o STF declarou a inconstitucionalidade dos arts. 1º e 2º da Lei 6.697/1993, do Estado do Rio Grande do Norte, que asseguravam a manutenção no serviço público dos “servidores da Fundação Universidade Regional do Rio Grande do Norte, admitidos entre o termo inicial da vigência da Lei nº 5.546, de 08 de janeiro de 1987, que a incorporou à Administração Pública Estadual, e o da Portaria nº 874, de 17 de junho de 1993, do Ministro da Educação e do Desporto, que a reconheceu, e originalmente incluídos no Quadro Suplementar, integrante da estrutura geral de pessoal daquela instituição de ensino superior”;
  • ADI 3552/RN, onde foi proferida a declaração de inconstitucionalidade do artigo 4º, caput, §§ 1º, 2º e 3º, da Lei Complementar nº 233, de 17.04.2002, bem como da Lei Complementar nº 244/2002, ambas do Estado do Rio Grande do Norte, na medida em que autorizavam a redistribuição de servidores do Sistema Financeiro BANDERN e do Banco de Desenvolvimento do Rio Grande do Norte S.A (BDRN) para órgãos ou entidades da Administração Direta, autárquica e fundacional do mesmo Estado; e
  • ADI 351/RN julgou procedente o pleito para declarar inconstitucionais os arts. 15 e 17 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias da Constituição do Estado do Rio Grande do Norte, que possibilitavam a investidura em cargo público sem a realização de prévio concurso de provas ou de provas e títulos, ao tempo em que assegurava “ao servidor público estadual, da administração direta, autárquica e fundacional, com tempo igual ou superior a cinco (5) anos de exercício que, na data da promulgação da Constituição, estiver à disposição, por tempo igual ou superior a dois (2) anos de órgão diferente daquele de sua lotação de origem, ainda que de outro Poder, o direito de optar pelo enquadramento definitivo no órgão que estiver servindo, em cargo ou emprego equivalente, quanto à remuneração, e assemelhado, quanto às atribuições”; bem como “Ao servidor público da administração direta, fundacional e autárquica, em pleno exercício de suas funções, fica[va] assegurado o acesso ao cargo ou emprego de nível superior identificado ou equivalente à formação do curso de nível superior que conclua”.
Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.