Com mais lojas fechadas que abertas,2023 foi pior ano para Cidade Alta
Natal, RN 30 de mai 2024

Com mais lojas fechadas que abertas,2023 foi pior ano para Cidade Alta

14 de março de 2024
5min
Com mais lojas fechadas que abertas,2023 foi pior ano para Cidade Alta
Cruzamento da Avenida Rio Branco com a Rua João Pessoa, com o Edifício Ducal ao fundo I Foto: Mirella Lopes

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Apenas em 2023, 315 estabelecimentos foram inaugurados no bairro da Cidade Alta, centro histórico e comercial de Natal. Porém, outros 320 fecharam as portas nesse mesmo período. Segundo os dados da Junta Comercial do Rio Grande do Norte (Jucern), essa foi a 1ª vez nos últimos nove anos que o saldo fechou negativo, com mais fechamento do que abertura de novos negócios na região.

Saiba +

Quando chove, Camelódromo da Cidade Alta tem vazamentos

Fechamento de sapataria agrava crise no comércio do Centro de Natal

Crise na Cidade Alta se aprofunda com fechamento da Magazine Luiza

Os dados refletem a impressão negativa causada pelo anúncio do encerramento das atividades de grandes lojas. Só no ano passado, duas duas unidades das Lojas Americanas e uma da Marisa deixaram a Avenida Rio Branco. Apenas uma Lojas Americanas continua funcionando no centro, na Rua João Pessoa.

Americanas da Rua João Pessoa I Foto: Mirella Lopes

Em 2015, o centro teve um boom com a abertura de 433 empresas e o pedido de encerramento de 111, o que deixou um saldo positivo de 322 novos negócios na Cidade Alta. Nos anos seguintes, a Jucern registrou uma variação com pequenas quedas no número de pedidos de abertura de empresas. Em 2018, o interesse em abrir um novo negócio no centro da cidade voltou ao patamar de 427 pedidos, chegou a 444 em 2019, 442 em 2021, ano em que a C&A encerrou suas atividades na Rio Branco, e a 411 solicitações de abertura de empresas em 2022.

O problema é que desde 2016 as solicitações para fechamento de empresas vêm numa crescente. Foram 111 pedidos em 2015, pulando para 190 em 2016, 199 em 2017, até alcançar o patamar de 320 encerramentos de atividades em 2023.

Os pequenos comerciantes que continuam atuando na Cidade Alta denunciam o alto valor dos aluguéis, o que inviabiliza a manutenção das lojas por causa da queda do movimento na região.

O que sabemos é que a maioria desses imóveis pertencem a uma mesma família e, pra eles, tanto faz estar aberto ou fechado porque eles ganham com a especulação imobiliária”, comentou um comerciante que preferiu não falar o nome.

Já em 2024, uma unidade da Magazine Luíza e a sapataria Di Santinni, ambas localizadas na avenida Rio Branco, também fecharam as portas.

C&A, na esquina da Avenida Rio Branco com Rua João Pessoa, fechou em 2021 I Foto: Mirella Lopes

Resgate

Desde março do ano passado, a Prefeitura do Natal anunciou uma obra de revitalização da Cidade Alta com o objetivo de resgatar a vida na região.

Porém, um ano depois, poucos foram os avanços. O resultado é que até o dia 07 deste mês, a Jucern registrou 48 pedidos de abertura de empresas e 55 encerramentos de atividades.

A prefeitura da capital segue sem prazo para entrega do serviço e sem outros planos para recuperar a região que, com pichações, comércios fechados e muitas pessoas em situação de rua, parece seguir o mesmo rumo de tantos outros centros antigos das grandes cidades.

Projeção de como vai ficar o Calçadão da Rua João Pessoa após reforma I Imagem: Prefeitura de Natal

Saiba +

Em meio à crise, Americanas fecha loja da Avenida Rio Branco, no centro de Natal

Do bonde ao busão: memória e caminhos para a Rua João Pessoa

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.