Caicoense transformou a dor do luto em homenagem para 40 mulheres
Natal, RN 26 de fev 2024

Caicoense transformou a dor do luto em homenagem para 40 mulheres

22 de novembro de 2023
8min
Caicoense transformou a dor do luto em homenagem para 40 mulheres
Foto: cedida

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

No ano de 2012, o jovem Matheus Arruda da Silva vivenciou a perda de sua mãe, Francisca Arruda da Silva. De 12 filhos, Matheus era o único que permanecia residindo com sua mãe, e naquela perda sentiu faltou o chão sob seus pés. Mas foi desse luto que surgiu uma busca por referências e o início de um projeto de valorização da mulher.

"Durante o luto, começou a dar uma virada de chave na minha cabeça acerca da importância da presença feminina que acabara de perder. É como se, diante do breu, caísse uma luz sobre mim, como se me dissesse: e agora? Isso me fez buscar em outras mulheres tudo aquilo de que fiquei órfão. Num curso de audiovisual ganhei quatro amigas, mães leoas, que dão a vida pelos filhos. Busquei uma forma de homenageá-las, e isso resultou numa homenagem a 40 mulheres" explica Matheus.

O curso de audiovisual, citado por Matheus, é o curso “Caravana Rec”, de difusão e formação audiovisual, que esteve em Caicó através do trabalho de Nathalia Santana e Carito Cavalcanti. As mulheres que, sem tomarem conhecimento de sua ideia, inspiraram o ponta pé de seu projeto foram a historiadora Eunice Farias, a professora Socorro Araújo, idealizadora do projeto Café no Mato, Nícia Brito e a jornalista e orientadora social Anna Jailma. A troca de experiências de vida e compartilhamento de ideias no grupo despertou em Matheus Arruda a vontade de homenagear mulheres, em reconhecimento por esta sensibilidade do ouvir, do acolhimento e da amizade.

"A partir daí me encontrei, me refiz, e busquei uma forma de homenageá-las por tudo que fizeram, mesmo não sabendo, nem tendo a intenção. Nossa ligação transformou o luto em festa, trouxe beleza às cinzas, e fui buscar referência em todas as mulheres do mundo, que lutam e lutaram por direitos e liberdade" diz Matheus.

Matheus passou a desenvolver pesquisa sobre mulheres que, de forma positiva, revolucionaram regras impostas pela sociedade, conquistaram direitos para todas as mulheres, foram pioneiras em diversas áreas e foram fundamentais para o progresso da vida em sociedade, no Brasil e no mundo.

"Mergulhei de cabeça em documentos, atas, livros, jornais, internet, e montei um corpus documental diversificado, de inúmeras mulheres que fazem e fizeram história no sertão, no Brasil e no mundo, modelos de inspiração que transformaram suas vidas, suas histórias, como modelos de garra, superação e luta. Isso resultou em 75 colares para serem distribuídos gratuitamente”, informa Matheus.

Foto: Anna Jailma

A partir disso, Matheus ampliou o olhar da cidade de Caicó RN, e passou a observar várias outras mulheres que, de alguma forma, carregam a força que sua mãe deixou para ele como legado. Por onde andava, em apresentações artísticas, exposições, e em simples contatos rotineiros, Matheus começou a selecionar mulheres para serem homenageadas com seus colares.

Em Caicó, 40 mulheres estiveram reunidas em café compartilhado, no entardecer do feriado de 15 de novembro, para receberem a homenagem, no projeto que Matheus intitulou de "Mulheres do Agora - as do ontem e as do hoje". Foram homenageadas mulheres donas de casa, enfermeiras, artesãs, escritoras, professoras, jornalistas, poetisas, médicas, assistentes sociais, empreendedoras, fotógrafas, cantoras, musicistas, artistas audiovisuais, doceiras, e tantas outras.  Algumas conhecidas de Matheus, por algum tipo de convivência, outras que ele tomou conhecimento de sua história e convidou.

"Matheus, em sua sensibilidade, nos fez olhar para nós mesmas, para nossa atuação na sociedade, a exemplo de outras mulheres em épocas passadas. Todas agentes de mudança em seu tempo. Senti-me honrada com a homenagem", disse Eunice Farias, historiadora e artesã.

Eunice Farias | Foto: Anna Jailma

O evento aconteceu no Forte do Cuó, lugar histórico, berço de Caicó, onde está localizado o alicerce da primeira Capela para Sant'Ana, e onde houve a guerra dos bárbaros, entre colonizadores e indígenas. No cenário de lajedos, os colares foram expostos, pendurados entre árvores da caatinga, em espécie de varal, com galinhas de pereiro. As mulheres foram convidadas a escolherem o colar que mais se identificassem.

O evento Mulheres do Agora oportunizou um lindo entardecer voltado para mulheres caicoenses e seridoenses, contemplando a diversidade do universo feminino. Tratou-se de uma justa homenagem que o jovem Matheus, idealizador do projeto, oportunizou as participantes, com a degustação de um maravilhoso café compartilhado ao som de música ao vivo, recitação de poesia e bate papo livre, com troca de saberes entre as participantes", disse Sandra Rosário, assistente social e musicista do grupo Lydias Brasileiras.

Grupo As Lydias Brasileiras - Cynara Verás, Sandra Rosário e Maria das Vitórias | Foto: cedida

São 75 colares, em acrílico, com frente e verso, que trazem a fotografia e a história, da mulher em destaque. Entre as mulheres dos colares estão Joênia Wapichana, primeira mulher brasileira de origem indígena, formada em Direito; a jornalista Glória Maria, a atriz Fernanda Montenegro, a escritora Clarice Lispector, a poetisa Cecília Meireles, a guerreira dos Palmares, Dandara; a escritora Carolina de Jesus, e a primeira romancista do Brasil, Maria Firmina dos Reis. Há também, colar com a pintora mexicana Frida Khalo, Sofia Lonescu, primeira neurocirurgiã da história; Maud Stevens Wagner, que era acrobata circense e foi a primeira tatuadora profissional de que se tem notícias; e Nise da Silveira, que revolucionou a psiquiatria, manifestando-se contra o confinamento em hospitais psiquiátricos, eletrochoque e outros métodos que ela considerava agressivos.

Entre as potiguares, estão a mossoroense Celina Guimarães, primeira mulher a votar no Brasil; a caicoense Júlia Medeiros, feminista, política, jornalista e pioneira em várias atitudes da época; a indígena Clara Filipa Camarão, nascida onde hoje é bairro Igapó de Natal, que destacou-se em batalhas, durante as invasões holandesas em Olinda e no Recife; a poetisa Auta de Souza, de Macaíba, e Nísia Floresta, da cidade de Nísia Floresta, educadora, escritora,  com protagonismo no  jornalismo e nos movimentos sociais.

Matheus distribuiu os 40 colares e faz planos de ampliar o projeto, pela satisfação de ver mulheres reunidas, felizes, e emocionadas, por sentirem este reconhecimento.

"Esse projeto tem extensões, e ainda existem muitas outras mulheres para serem homenageadas. Meu sentimento é gratidão, por ter dado tudo certo, pela presença das mulheres, pela realização pessoal, pelo desejo de ver nas homenageadas um sorriso, um olhar brilhando, e por poder fazer com que muitas mulheres do passado, de lindas histórias, ficassem mais conhecidas, através do projeto" conclui.

___________________________________________________________________

Essa reportagem faz parte do projeto "Saiba Mais de perto", idealizado pela Agência SAIBA MAIS, e financiado com recursos do programa Acelerando Negócios Digitais, do ICFJ/Meta e apoio da Ajor.

Leia também:

Projeto Saiba Mais de Perto combate "desertos de notícias" no RN

Tibau: Estudantes participam da maior feira de ciências do mundo

Aldeia Sesc Seridó reúne artistas de Caicó em Cortejo Cultural

Comerciante morre em acidente por buraco na Zona Norte de Natal

Coletivos independentes movimentam a sétima arte em Mossoró

Seridó: Aos 93 anos, Maria Albino faz doces para acolher pessoas

Depois te Conto: jovens da Zona Norte criam série independente de humor

Caatinga:  famílias vivem da natureza no Parque Nacional da Furna Feia

CMEI na Zona Norte realiza exposição inspirada em Ariell Guerra

Currais Novos: Congresso das Batalhas reuniu artistas de Hip Hop

Maior produtor de atum do RN não leva pescado à mesa areia-branquense

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.