Conheça Alessandra Augusta, nova presidenta da Casa da Ribeira
Natal, RN 30 de mai 2024

Conheça Alessandra Augusta, nova presidenta da Casa da Ribeira

9 de março de 2024
6min
Conheça Alessandra Augusta, nova presidenta da Casa da Ribeira
Imagem: Cedida.

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

A Casa da Ribeira é um espaço independente de educação e cultura que fica localizado na zona leste de Natal. O espaço foi inaugurado no dia 06 de março de 2001, tendo completado 23 anos na última quarta-feira, e foi criado no centenário casarão n° 52 da Rua Frei Miguelinho, no mesmo bairro que a Casa leva em seu nome.

E exatamente no aniversário da Casa da Ribeira, a atriz, produtora e gestora cultural Alessandra Augusta assumiu a presidência do local. Até então, essa posição era ocupada pelo diretor, ator e dramaturgo Henrique Fontes, que também é sócio-fundador da Casa. Agora, ele assume o cargo na diretoria social.

“Estou muito feliz com essa passagem de bastão para a Alessandra, uma mulher que vem construindo uma carreira brilhante”, declara Henrique.

“Ela vem trilhando fortemente o caminho de mulher negra que veio de uma realidade periférica. Ela sabe muito bem o que passaram as mulheres que vêm da mesma origem que ela. E isso tem um valor e uma contribuição gigante para a cultura”

Alessandra é originária do bairro das Quintas, na zona oeste de Natal, e conta que veio de uma família “bastante numerosa e humilde”. O primeiro contato da atriz com a Casa da Ribeira aconteceu durante o terceiro ano do projeto ARTEAÇÃO, em 2007. Junto dela, estavam pelo menos outros 160 jovens que puderam, com a iniciativa, entender e conhecer mais sobre o campo artístico.

O projeto ARTEAÇÃO foi o primeiro de desenvolvimento humano por meio das artes da Casa da Ribeira, e foi realizado em escolas públicas e na própria Casa entre os anos de 2005 e 2013. Durante o ano letivo, três vezes por semana, esses jovens tinham acesso a oportunidades educativas em diversas áreas do universo das artes, como teatro, dança, iluminação, cenário, figurino, produção, vídeo-arte, interpretação e maquiagem. Alessandra iniciou em 2007 e participou por três anos. Ela conta que, na ocasião, Henrique Fontes foi o primeiro professor que ela teve. “Na época, ele era o presidente da Casa da Ribeira. Agora, ele passou essa responsabilidade para mim”, ressalta de forma carinhosa e bem humorada.

Pensando caminhos para a população negra

Alessandra, feminista negra, ressalta o significado de ter assumido a presidência da Casa da Ribeira na semana do Dia Internacional da Mulher.

“Para mim é uma honra e uma alegria estar nesse lugar e poder inserir meu olhar, pontos de vista e pesquisas enquanto mulher negra, militante dessa causa e também entendendo um lado da sociedade que às vezes é invisibilizado”, conta. 

“Estou nesse lugar para pensar outros lugares para a mulher negra: de ascensão, que eu quero ocupar e que tanto queremos. Outros horizontes possíveis e outras perspectivas de vida e de futuro. Venho para somar”, afirma Alessandra.

A atriz também revela quais são os objetivos e perspectivas que ela traz consigo no lugar de presidenta. Dentre eles, se destaca a vontade de possibilitar ainda mais o protagonismo negro e LGBTQIAP+. “Quero dar continuidade às políticas que o espaço já vem trabalhando desde 2001. Queremos dar maior enfoque nas pessoas que não conseguem acessar as artes e a educação”, explica.

Nesse sentido, Alessandra, em conjunto com as demais diretorias da Casa da Ribeira, quer construir a frente de trabalho “Casa + Negra Diversidade”. Segundo a gestora cultural, essa é uma meta que o espaço tem a intenção de trabalhar.

“A Casa da Ribeira já trabalha com a população negra desde a fundação. O que queremos é trabalhar ainda mais”, ressalta.

Alessandra explica que a “Escola de Criação” é o primeiro pontapé para a realização do Casa + Negra Diversidade. A Escola será um núcleo educativo para artistas e artistas em potencial criadores, com garantia de acesso de metade das vagas para a população negra/parda, pessoas LGBTQIAPN+ e estudantes da rede pública de ensino e egressos. Neste ano, a Escola vai disponibilizar um total de 07 cursos de formação. Serão mais de 160 horas para o incentivo à criatividade e ao desenvolvimento humano por meio das artes para um grupo de 130 pessoas inscritas e, também, com a realização de aulões abertos.

As inscrições para os primeiros cursos da Escola de Criação já estão abertas e podem ser acessadas neste link.

“Um dos meus maiores objetivos, no lugar de presidenta, é possibilitar o protagonismo negro, a ocupação de pessoas negras, inclusive de peles retintas, mostrando seus trabalhos. Queremos pensar esses lugares de potências e de narrativas”. Explica Alessandra. “Meu desejo e objetivo é continuar pensando a pessoa negra na sociedade de forma que não seja estereotipada e subalternizada. Mas que seja num lugar bacana, de ascensão, de autoria e de escrever sua própria história”, finaliza.

Essa reportagem faz parte do projeto “Ser Mana, Mulher", idealizado pela Agência SAIBA MAIS para produção de pautas dedicadas a temas que impactam diretamente a vida das mulheres, ao tempo que contamos as histórias de Mulheres.

Leia também

Operação Átria: 33 prisões no RN em combate à violência contra a Mulher

Mulheres ocupam ruas do centro de Natal em marcha pelo 8 de Março

Decreto garante direitos de refugiadas, apátridas e migrantes no RN

8 de março: quais os desafios que encontram as mulheres na ciência?

Mulheres do MST em Natal pedem Reforma Agrária e acesso à Universidade

Em Natal, mulheres se organizam em ato político no 8 de Março

Lançamento do videoclipe "Saudade da Preta" celebra as Mulheres

UERN e UFRN oferecem minicurso remoto sobre Igualdade no 8M

“Somos seres humanos”: A realidade de ser migrante africana em Natal

Natal: Frente Parlamentar da Mulher faz sessão de homenagem a mulheres

8 de março: debate e show musical reivindicam um RN sem misoginia

Colégio em Natal coleta materiais para mulheres privadas de liberdade

Mostra do Cineclube Natal homenageia diretoras potiguares

Por que existe o Dia Internacional da Mulher?

Violência contra a mulher: agressões sobem 14% no RN; denúncias caem

Mulheres ocupam ruas do centro de Natal em marcha pelo 8 de Março

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.