Patu: Cineatro leva reflexão social a estudantes de escolas públicas
Natal, RN 5 de mar 2024

Patu: Cineatro leva reflexão social a estudantes de escolas públicas

1 de dezembro de 2023
6min
Patu: Cineatro leva reflexão social a estudantes de escolas públicas
Foto: cedida

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Esse projeto mudou a minha vida enquanto pessoa e, principalmente, no âmbito profissional”. Quem resume de maneira apaixonada o projeto ‘Cineatro vai à Escola’ na sua vida é Pedro Lucas, estudante de Letras de Patu, município do Oeste potiguar, a 321 quilômetros da capital potiguar. Ele se refere a uma das atividades realizadas pelo Cineatro, projeto de extensão desenvolvido pelo Curso de Letras da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), que se propõe a levar às escolas públicas de Patu e cidades vizinhas discussões sobre temas impactantes na sociedade através do cinema e do teatro. 

Pedro foi cativado pelo projeto quando ainda era estudante do ensino médio. Ele era aluno de uma das escolas em que o Cineatro desenvolveu a exibição de filmes e uma roda de discussão com adolescentes.

Naquela ocasião, o “Maleta da Juventude” levava pautas sociais para seu colégio dentro do projeto “Cineatro vai à escola”. Ele lembra que a discussão daquele dia, em 2019, foi sobre a mulher na sociedade. A partir daí, antes mesmo de entrar para o curso de Letras, passou a participar dos debates como ouvinte. Hoje, no último ano da faculdade, entende que o projeto que integra é transformador para os jovens.

A minha primeira opção de curso sempre foi Letras e quando conheci o projeto e vi que poderia ter acesso a várias discussões que transcendiam aquele momento, tive mais certeza ainda. A transformação tem que vir de dentro da pessoa, mas o Cineatro foi o pontapé inicial para essa iniciativa de mudar. O projeto me ajudou nas discussões em grupo, com apresentações teatrais, me tornei ator, coisa que eu não imaginava e participei duas vezes do Festuern (festival de teatro da UERN), em Mossoró”, explica Pedro, que hoje gosta de ser identificado artisticamente como Pedro Ninguém.

O “Cineatro vai à escola” geralmente visita estudantes do ensino fundamental II e médio uma vez por mês. Mais de 25 escolas já receberam o projeto, de acordo com a professora Me. Beatriz Pazini Ferreira, coordenadora da iniciativa.

O trabalho do projeto é muito impactante na vida dos estudantes, pois faz uma ponte com uma diversidade cultural e discussões sobre temáticas relacionados ao cotidiano, fazendo diferença na formação deles e abrindo espaço para a criticidade. Os alunos gostam muito, pois trazemos discussão de temas que ainda são um certo tabu nas escolas e também abrimos espaço para opiniões diferentes, e ofertando cultura e uma diversidade de gêneros literários”, explica Wendel Kayky, estudante de Letras, que faz parte do Cineatro desde o início do projeto.

Cineatro

Abrir portas para o conhecimento, estimular o debate crítico e fazer a diferença na desenvoltura como ser humano através das artes é o objetivo do projeto Cineatro. O “Cineatro vai à escola” é somente uma parte de todo o projeto de extensão.

Com atividades culturais, como teatro de rua, peças para palco e saraus com temáticas variadas, a sociedade é integrada na atividade artística e em pautas diversas.

O projeto é realizado por 27 alunos dos cursos de Letras e Pedagogia. As peças e discussões de filmes são abertos ao público e as demais atividades contam com a participação da comunidade externa.

Comunidade não somente de Patu, mas também dos municípios de Rafael Godeiro, Messias Targino, Almino Afonso, Lucrécia e Mossoró, segundo a professora Beatriz. 

Na pandemia, esse alcance foi ampliado. “A gente gerou vários produtos no nosso canal no Youtube, como peças virtuais, e parcerias com universidades, convidando professores nas discussões de filmes. Tivemos, por exemplo, participação de Santa Catarina, Rondônia, da Universidade Federal Fluminense, do Rio de Janeiro, e da (universidade) Federal do Ceará”, destaca.

 “É uma movimentação boa. A gente tem integrantes de muitos polos, não é restrito por cursos. Por ser interior, é pequena a adesão, mas nós temos uma contribuição por estar sempre buscando projetos que envolvam a sociedade de Patu”, afirma Pedro.

Natal

Para fazer um pouquinho mais a diferença neste final de ano, um dos projetos é uma ação solidária com arrecadação de alimentos para famílias da região. As doações podem ser feitas até o dia 5 de dezembro, data em que o projeto promoverá a entrega dos alimentos e realizará o sarau “Meu Natal na Uern”, em frente à secretaria do campus Patu, às 20h30.

O sarau contará com performances poéticas e dramáticas, voz e violão, além de uma confraternização entre os participantes.

A distribuição de alimentos será feita em conjunto com a entrega dos brinquedos da campanha Meu Melhor Natal, da UERN, promovendo a distribuição de cestas básicas para as famílias.

As doações podem ser feitas no próprio campus de Patu, onde estão dispostas caixas para receber os alimentos. Também é possível contribuir por meio do pix, com valor mínimo de R$ 6,00, através da chave [email protected].

Mais informações podem ser acessadas no perfil do projeto no Instagram (https://www.instagram.com/cineatro/).

_____________________________________________________________________________________________________

Essa reportagem faz parte do projeto "Saiba Mais de perto", idealizado pela Agência SAIBA MAIS, e financiado com recursos do programa Acelerando Negócios Digitais, do ICFJ/Meta e apoio da Ajor.

Leia também:

Projeto Saiba Mais de Perto combate "desertos de notícias" no RN

Tibau: Estudantes participam da maior feira de ciências do mundo

Aldeia Sesc Seridó reúne artistas de Caicó em Cortejo Cultural

Comerciante morre em acidente por buraco na Zona Norte de Natal

Coletivos independentes movimentam a sétima arte em Mossoró

Seridó: Aos 93 anos, Maria Albino faz doces para acolher pessoas

Depois te Conto: jovens da Zona Norte criam série independente de humor

Caatinga:  famílias vivem da natureza no Parque Nacional da Furna Feia

CMEI na Zona Norte realiza exposição inspirada em Ariell Guerra

Currais Novos: Congresso das Batalhas reuniu artistas de Hip Hop

Maior produtor de atum do RN não leva pescado à mesa areia-branquense

Caicoense transformou a dor do luto em homenagem para 40 mulheres

Como resiste o afroempreendedorismo do outro lado da ponte

Medalhista mundial de Taekwondo conheceu esporte em associação de Assu

“No Seridó a Reza é Forte” destaca indígenas e africanos no RN

Zona Norte: projeto da UFRN leva comunicação para escola pública

Em Ouro Branco, a preservação do patrimônio coloriu a cidade

Fábrica de polpa de frutas transforma vida de mulheres agricultoras

As chuvas fortes em Natal e o caos na Zona Norte

Com 74 anos, Manoelzinho produz telas em latonagem e fotocorrosão

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.