Em São José, um guardião da história criou o Museu da cidade
Natal, RN 21 de jul 2024

Em São José, um guardião da história criou o Museu da cidade

12 de dezembro de 2023
9min
Em São José, um guardião da história criou o Museu da cidade

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

José Medeiros Sobrinho de Araújo é conhecido em São José do Seridó como “Dedé de Badô”.  Filho de Tibúrcio Bezerra de Araújo – Badô – e Maria Anízia de Araújo, Dedé cresceu nos laços da história de São José do Seridó, uma cidade do interior do Rio Grande do Norte, que tem 4.665 habitantes. Dedé é geógrafo e apaixonado por histórias de seus antepassados, de seu lugar, da cultura que o rodeia.

Em São José, habitualmente as pessoas conversam nas calçadas sobre memórias do lugar, fatos que marcaram, pessoas que fizeram história na cidade ou, ainda, um dos assuntos preferidos pelo povo do Seridó: parentesco, laços familiares. Este entrelaçar de história e cultura despertou em Dedé o prazer em preservar objetos antigos, fotografias históricas, documentos, registros do passado, necessários para o entendimento do hoje.  

Da madrinha “Raquel de Sueco”, ele adquiriu fotografias antigas, inclusive a da Igreja de São José quando não havia torre, ou seja, antes de 1951. Com o passar dos anos, objetos antigos foram adquiridos, e ter um depósito com antiguidades despertou em Dedé a vontade de criar um espaço para organizar os objetos em exposição permanente, aberta ao público.

Procurei o secretário de Educação da época, José Roberto dos Santos, e falei sobre a ideia de criar um espaço cultural para que o acervo tivesse seu valor histórico preservado, mesmo quando eu deixasse de existir. Anos depois, dentro das festividades do centenário de São José do Seridó, houve a abertura do Museu Municipal Tropeiros do Seridó, em 04 de novembro de 2017, no espaço de antiga creche do município. Na vinda dos objetos, do depósito para o Museu, precisou de um caminhão”, relembra sorrindo, o colecionador de objetos históricos, hoje coordenador do Museu de São José do Seridó

O Museu de São José do Seridó recicla as lousas das escolas. Quando não servem mais para o uso em sala de aula, são recicladas, recortadas, pintadas e montadas para serem usadas para expor as fotografias. No espaço bem organizado do Museu Municipal estão mesas e cadeiras que datam da construção da cidade de São José do Seridó. O algodão mocó, que é destaque na história do município, está colhido num imenso balaio. Cangalhas, vestuário do vaqueiro, silhão – uma sela grande para mulheres cavalgarem; o caçuá – que ora levava alimentos, ora transportava crianças em dias de feira livre na cidade; pilões grandes que eram usados para pilar o milho e a tradicional carne de sol, para fazer a “paçoca de pilão”; antigas máquinas de costura, e até ferro de engomar queijo, que tinha uma ligação com o armazenamento de alimento, em tempo de seca.

O ferro de engomar queijo se caracterizava por ser aquecido no fogo. Colocava fogo na chapa. Era para o queijo criar casca, para ser armazenado e ser consumido em épocas de escassez de alimentos, como na seca prolongada. Minha avó me contava que o queijo ficava tão endurecido, que tinha que ser cortado e botado dentro do feijão pra ser cozido”, relata Dedé, idealizador e coordenador do Museu.  

Outra destaque que Dedé traz, é sobre equipamentos da produção de algodão, que também estão em exposição no Museu. Ele explica o processo, a partir do “descaroçar do algodão” até produzir o tecido.

Temos equipamento de produção artesanal, como para descaroçar o algodão. Era separado o caroço da pluma e a pluma ia para a almofada. A artesã ou artesão batia com um cipó para esgaçar, até que ficava uma pluma contínua, que no fuso fazia fio, resultando no tecido para rede, lençóis...” explica.

No Museu de São José do Seridó, as fotografias estão organizadas em galerias. As galerias são dedicadas às pessoas de São José do Seridó, que prestaram serviços relevantes ao município, voluntários que prestaram serviço ao Museu e que contribuíram com informações. Há também a Galeria das Bandas de Música do Seridó, intitulada de Severino Salvino de Medeiros – Bil Salvino, que atuou em São José como maestro.

Entre as galerias, destaca-se Galeria José Ezelino da Costa, fotógrafo caicoense, a frente de seu tempo, que na década de 20 atuava em Caicó e região. Entre suas fotografias estão muitas das ruas de Caicó, evidenciando a arquitetura antiga da cidade, e construções que marcaram como a do açude Itans.

Dei prioridade as fotografias em que José Ezelino registrou o espaço urbano de Caicó. Naquela época, a fotografia era cara para se obter e ele se propôs a registrar a parte arquitetônica, da zona urbana de Caicó, sem receber pagamento, mas, como visionário que era, sabia que servia para um futuro longínquo. Uma professora da Califórnia veio visitar o Museu por causa dessa galeria de José Ezelino da Costa. Tenho originais de 15 a 20 fotografias, e digitalizadas tenho bastante, nem sei dizer quantas”, informa Dedé.

Reafirmando a importância da Galeria José Ezelino, Dedé recorda que, quando passou a morar em Caicó, no final da década de 70, observava as conversas, na Praça José Augusto, sobre fatos políticos, que foram comprovados por fotografias desta galeria, no Museu de São José do Seridó:

Lembro de Sr.  Júlio Rodrigues, Zé Galego e Cardoso de Bela Costa falando sobre fatos políticos e isso foi um gatilho para meu interesse por mais este segmento. Algumas histórias culminam com as imagens de autoria de José Ezelino da Costa, que temos na galeria do Museu, como o atentado político, nos anos 30, contra a estátua de Dr José Augusto, relatado por Sr Júlio Rodrigues. No registro histórico que José Ezelino proporcionou, tem o local só com o pedestal, onde tinha o busto, que foi alvo do atentado”, destaca Dedé de Badô. 

O Museu Municipal dos Tropeiros do Seridó funciona de segunda à sexta-feira, das 7h às 13h. Nos registros do Museu consta a visitação de 3 mil e 300 pessoas. Cidades vizinhas como Caicó, São José do Seridó, e também Jardim do Seridó, Acari, Distrito Palma e outras do Seridó, já levaram estudantes de escolas municipais, estaduais e até federais, como IFRN. Também estudantes e professores do Campus da UFRN em Caicó visitaram o espaço para beber da fonte do conhecimento do MUMUTROPS.

_______________________________________________________________________________

Essa reportagem faz parte do projeto "Saiba Mais de perto", idealizado pela Agência SAIBA MAIS, e financiado com recursos do programa Acelerando Negócios Digitais, do ICFJ/Meta e apoio da Ajor.

Leia também:

Projeto Saiba Mais de Perto combate "desertos de notícias" no RN

Tibau: Estudantes participam da maior feira de ciências do mundo

Aldeia Sesc Seridó reúne artistas de Caicó em Cortejo Cultural

Comerciante morre em acidente por buraco na Zona Norte de Natal

Coletivos independentes movimentam a sétima arte em Mossoró

Seridó: Aos 93 anos, Maria Albino faz doces para acolher pessoas

Depois te Conto: jovens da Zona Norte criam série independente de humor

Caatinga:  famílias vivem da natureza no Parque Nacional da Furna Feia

CMEI na Zona Norte realiza exposição inspirada em Ariell Guerra

Currais Novos: Congresso das Batalhas reuniu artistas de Hip Hop

Maior produtor de atum do RN não leva pescado à mesa areia-branquense

Caicoense transformou a dor do luto em homenagem para 40 mulheres

Como resiste o afroempreendedorismo do outro lado da ponte

Medalhista mundial de Taekwondo conheceu esporte em associação de Assu

“No Seridó a Reza é Forte” destaca indígenas e africanos no RN

Zona Norte: projeto da UFRN leva comunicação para escola pública

Em Ouro Branco, a preservação do patrimônio coloriu a cidade

Fábrica de polpa de frutas transforma vida de mulheres agricultoras

As chuvas fortes em Natal e o caos na Zona Norte

Com 74 anos, Manoelzinho produz telas em latonagem e fotocorrosão

Patu: Cineatro leva reflexão social a estudantes de escolas públicas

Redinha: trabalhadores seguem desamparados após 3 meses de protestos

Jornal impresso “Quinzenal” resiste há 19 anos em Caicó

MPRN terá ação do projeto Pai Legal na Zona Norte

Saudade estimula artista a eternizar história de Upanema em quadros

Advogada levou o sertão poético de Caicó para Paris

Serra do Mel: rádio comunitária leva o bem à Vila Amazonas

DER responsabiliza prefeitura por acúmulo de areia na João Medeiros

Jurema Coletivo de Dança traz dança contemporânea para Caicó

“Fugi da prisão”: superação torna Chico Filho imortal em Martins

Trancistas: a valorização da cultura afro-brasileira na Zona Norte

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.