Ipueirense visita sítios e faz arte em madeira morta
Natal, RN 24 de fev 2024

Ipueirense visita sítios e faz arte em madeira morta

18 de dezembro de 2023
6min
Ipueirense visita sítios e faz arte em madeira morta

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

No Bar Copo de Ouro, cidade de Ipueira, no Seridó do Rio Grande do Norte, tem um chocalho nas mesas, caso o cliente precise chamar alguém para informação ou pedido. As mesas e cadeiras são de madeira rústica. Há bastante carranca no espaço, mas todas sorridentes, e o cardápio está esculpido, com várias opções, inclusive os pratos mais famosos: peixe frito e o rubacão.

O proprietário do Bar Copo de Ouro é Inácio de Loyola, filho de  carpinteiro e ceramista. Ele cresceu com o sonho de ser marceneiro. Na juventude, com ajuda de seu pai, Inácio comprou uma marcenaria e chegou a fazer móveis para vender. Neste mesmo comércio, era vendido pão caseiro, doces, pastéis e bolacha de leite, que sua mãe fazia.

Depois de casado, morando na casa dos sogros, Inácio continuou com a marcenaria e fazendo pastéis com a esposa, para vender na lanchonete, até que sua mãe o presenteou com um terreno no centro de Ipueira.

Eu trabalhava na marcenaria, na lanchonete, e construía minha casa. Fui pedreiro e servente durante seis anos, até que vim morar nesta casa, com minha esposa. O Bar Copo de Ouro existe desde 2009, e é agregado. Lembro que não tive dinheiro para comprar as portas e fui no sitio de meu sogro, cortei varas para fazer, e fiz”, conta Inácio de Loyola.  

A partir da criação do Bar Copo de Ouro, Inácio passou a transformar a madeira morta da caatinga em arte. Ele tem amizade com alguns proprietários dos sítios, então pede para retirar a madeira morta da caatinga.

Temos amizades com donos de sítio e peço permissão para entrar nos sítios e catar. Saio de casa para os sítios com um cuscuz numa vasilha e uma água na garrafa. Só pego o que morreu com a seca e retiro o que preciso, não retiro além. Trago comigo somente o que vou usar”, afirma Inácio de Loyola. 

Ao relembrar sua trajetória, esculpindo peças para o seu comércio, Inácio comenta que a peça mais demorada, foi uma carranca. Viajando para o Mato Grosso, Inácio encontrou carrancas na Rodoviária de Petrolina, Pernambuco, e guardou a “inspiração”.

A peça que mais demorei a fazer foi minha primeira carranca. Eu só tinha a ideia. A inspiração foi aquela de Petrolina, e só fiz 25 anos depois, a base de machado, serrote, enxó e formões. Foi um mês para concluir, mas, fiz com nosso estilo, do povo seridoense. Nós seridoenses somos alegres, então, minhas carrancas são sorridentes”, diz Inácio.

Sobre a inspiração para criar, Inácio de Loyola destaca que vem de repente, e acredita que vem de Deus. “O reconhecimento do público é muito bacana, mas eu digo sempre que agradeçam a Deus, por Ele ter me usado”, conclui.

Na pandemia, o Copo de Ouro não funcionava, mas Inácio Loyola não parou de produzir. Ele fazia de madeira, tábuas de frios, fruteiras, travessas para peixe, e vendia em frente ao Bar. Hoje, ele diz que não tem como fazer encomenda, porque a demanda do Bar não permite.  Para seguir o Bar Copo de Ouro @copodeourobar.

______________________________________________________________________________

Essa reportagem faz parte do projeto "Saiba Mais de perto", idealizado pela Agência SAIBA MAIS, e financiado com recursos do programa Acelerando Negócios Digitais, do ICFJ/Meta e apoio da Ajor.

Leia também:

Projeto Saiba Mais de Perto combate "desertos de notícias" no RN

Tibau: Estudantes participam da maior feira de ciências do mundo

Aldeia Sesc Seridó reúne artistas de Caicó em Cortejo Cultural

Comerciante morre em acidente por buraco na Zona Norte de Natal

Coletivos independentes movimentam a sétima arte em Mossoró

Seridó: Aos 93 anos, Maria Albino faz doces para acolher pessoas

Depois te Conto: jovens da Zona Norte criam série independente de humor

Caatinga:  famílias vivem da natureza no Parque Nacional da Furna Feia

CMEI na Zona Norte realiza exposição inspirada em Ariell Guerra

Currais Novos: Congresso das Batalhas reuniu artistas de Hip Hop

Maior produtor de atum do RN não leva pescado à mesa areia-branquense

Caicoense transformou a dor do luto em homenagem para 40 mulheres

Como resiste o afroempreendedorismo do outro lado da ponte

Medalhista mundial de Taekwondo conheceu esporte em associação de Assu

“No Seridó a Reza é Forte” destaca indígenas e africanos no RN

Zona Norte: projeto da UFRN leva comunicação para escola pública

Em Ouro Branco, a preservação do patrimônio coloriu a cidade

Fábrica de polpa de frutas transforma vida de mulheres agricultoras

As chuvas fortes em Natal e o caos na Zona Norte

Com 74 anos, Manoelzinho produz telas em latonagem e fotocorrosão

Patu: Cineatro leva reflexão social a estudantes de escolas públicas

Redinha: trabalhadores seguem desamparados após 3 meses de protestos

Jornal impresso “Quinzenal” resiste há 19 anos em Caicó

MPRN terá ação do projeto Pai Legal na Zona Norte

Saudade estimula artista a eternizar história de Upanema em quadros

Advogada levou o sertão poético de Caicó para Paris

Serra do Mel: rádio comunitária leva o bem à Vila Amazonas

DER responsabiliza prefeitura por acúmulo de areia na João Medeiros

Jurema Coletivo de Dança traz dança contemporânea para Caicó

“Fugi da prisão”: superação torna Chico Filho imortal em Martins

Trancistas: a valorização da cultura afro-brasileira na Zona Norte

Em São José, um guardião da história criou o Museu da cidade

Disputa política e judicial causa insegurança em Porto do Mangue

Natal sem Natal: Zona Norte reivindica eventos e decoração natalina

População faz mobilização pela volta de Cherie para Caicó

Tradição em Caraúbas: banda de música prepara festejos a São Sebastião

Cmei da Zona Norte prepara Natal Solidário das crianças

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.