Portalegre: Crianças quilombolas têm contato com ciência em pesquisa
Natal, RN 5 de mar 2024

Portalegre: Crianças quilombolas têm contato com ciência em pesquisa

20 de dezembro de 2023
7min
Portalegre: Crianças quilombolas têm contato com ciência em pesquisa

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Nestas comunidades não tem escola e estas crianças não têm acesso a materiais didáticos pedagógicos que tragam a sua representatividade, uma vez que ocorre um apagamento da memória histórica de mulheres negras e homens negros na Ciência. Quantos cientistas negros e negras essas crianças encontram nos livros? Em oposição, surge a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira, apontando a questão étnico-racial como fundamental na educação básica. Como resolver esse impasse? Será́ que é possível, através da história da ciência, resgatar a importância dos cientistas negros e negras dentro do ensino de Ciências?”

Esse é o questionamento do professor Francisco Souto, do Departamento de Ciências Humanas, da Universidade Federal Rural do Semiárido (Ufersa), docente do Programa de Pós-Graduação em Cognição, Tecnologias e Instituições (PPGCTI), sobre as crianças quilombolas da cidade de Portalegre.

A questão o levou a elaborar o projeto “Divulgação científica no quilombo: crianças como indicadores da representatividade negra da ciência e dos cientistas”, que está entre os 12 contemplados da Universidade, na relação do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) no seu edital de apoio à pesquisa no Brasil.

Em um ano, o trabalho deverá desenvolver uma interação com as crianças das comunidades do Pêga e Arrojado, proporcionando um espaço para que elas se reconheçam em pesquisadores e pesquisadoras negras que tem contribuído de forma significativa para a produção do conhecimento científico no Brasil e no mundo.

O Brasil enfrenta problemas significativos relacionados à valorização da intelectualidade negra. Acredito ser uma possibilidade de apresentar soluções para os desafios nacionais, de inclusão social e melhoria da qualidade de vida de uma população historicamente esquecida”, contextualiza.

A proposta será realizada de forma lúdica, através de desenhos, pinturas, contação de histórias, leituras de livros literários escritos por cientistas negros, com conteúdo que apresenta a importância da intelectualidade negra para o ensino de ciências, manipulando vidrarias e equipamentos adaptados para crianças em um laboratório simulado de ciências e através de apresentação de espetáculos teatrais e de danças africanas.

A pesquisa será executada por professores e estudantes da Licenciatura em Educação do Campo e do mestrado em Cognição Tecnologia e Instituições que compõe o Núcleo de Divulgação Científica Baobá, da UFERSA.

“O projeto terá oito etapas, sendo a primeira basilar para as demais, uma vez que, está irá identificar qual a percepção que as crianças com faixa etária entre 5 e 10 anos, tem dos cientistas e da ciência em seu imaginário”, explica o professor.

Para ser realizada, a pesquisa receberá um aporte de R$ 103.680,00 para o seu desenvolvimento. O edital do CNPq tem como objetivo apoiar projetos que contribuam para o desenvolvimento científico e tecnológico e de inovação em qualquer área do conhecimento.

Quilombos

Quilombolas são os descendentes e remanescentes de comunidades formadas por escravizados fugitivos, entre o século XVI e o ano de 1888, quando houve a abolição da escravatura, no Brasil. A palavra quilombo origina-se do termo kilombo, presente no idioma dos povos Bantu, originários de Angola, e significa local de pouso ou acampamento. Quilombola é a pessoa que habita o quilombo.

Atualmente, as comunidades quilombolas estão presentes em todo o território brasileiro, e nelas se encontra uma rica cultura, baseada na ancestralidade negra, indígena e branca. No entanto, os quilombolas sofrem com a dificuldade no acesso à saúde e à educação.

Em Portalegre, município de quase 8 mil habitantes, na região do Alto Oeste Potiguar, distante 372 quilômetros de Natal, é onde existe a maior concentração de comunidades tradicionais remanescentes de quilombos no Rio Grande do Norte, em relação à população, segundo o IBGE, com dados do Censo 2022. Dos 7601 habitantes da cidade, 1399 são quilombolas, representando 18,41% da população.

Lá, existem as comunidades dos sítios Pêga, Arrojado/Engenho Novo, Lajes e Sobrado.

No Estado, há 22.384 quilombolas espalhados por 53 cidades do Estado. 84% dessas pessoas vivem fora de territórios quilombolas oficialmente delimitados, e apenas 16% vivem em territórios delimitados.

Ainda segundo o Censo 2022, a cidade que tem o maior número de quilombolas é Ceará-Mirim, com 2.071, seguida de Macaíba, com 1459. Já as cidades de Bodó, Pureza e Georgino Avelino, registraram apenas uma pessoa quilombola.

______________________________________________________________________________

Essa reportagem faz parte do projeto "Saiba Mais de perto", idealizado pela Agência SAIBA MAIS, e financiado com recursos do programa Acelerando Negócios Digitais, do ICFJ/Meta e apoio da Ajor.

Leia também:

Projeto Saiba Mais de Perto combate "desertos de notícias" no RN

Tibau: Estudantes participam da maior feira de ciências do mundo

Aldeia Sesc Seridó reúne artistas de Caicó em Cortejo Cultural

Comerciante morre em acidente por buraco na Zona Norte de Natal

Coletivos independentes movimentam a sétima arte em Mossoró

Seridó: Aos 93 anos, Maria Albino faz doces para acolher pessoas

Depois te Conto: jovens da Zona Norte criam série independente de humor

Caatinga:  famílias vivem da natureza no Parque Nacional da Furna Feia

CMEI na Zona Norte realiza exposição inspirada em Ariell Guerra

Currais Novos: Congresso das Batalhas reuniu artistas de Hip Hop

Maior produtor de atum do RN não leva pescado à mesa areia-branquense

Caicoense transformou a dor do luto em homenagem para 40 mulheres

Como resiste o afroempreendedorismo do outro lado da ponte

Medalhista mundial de Taekwondo conheceu esporte em associação de Assu

“No Seridó a Reza é Forte” destaca indígenas e africanos no RN

Zona Norte: projeto da UFRN leva comunicação para escola pública

Em Ouro Branco, a preservação do patrimônio coloriu a cidade

Fábrica de polpa de frutas transforma vida de mulheres agricultoras

As chuvas fortes em Natal e o caos na Zona Norte

Com 74 anos, Manoelzinho produz telas em latonagem e fotocorrosão

Patu: Cineatro leva reflexão social a estudantes de escolas públicas

Redinha: trabalhadores seguem desamparados após 3 meses de protestos

Jornal impresso “Quinzenal” resiste há 19 anos em Caicó

MPRN terá ação do projeto Pai Legal na Zona Norte

Saudade estimula artista a eternizar história de Upanema em quadros

Advogada levou o sertão poético de Caicó para Paris

Serra do Mel: rádio comunitária leva o bem à Vila Amazonas

DER responsabiliza prefeitura por acúmulo de areia na João Medeiros

Jurema Coletivo de Dança traz dança contemporânea para Caicó

“Fugi da prisão”: superação torna Chico Filho imortal em Martins

Trancistas: a valorização da cultura afro-brasileira na Zona Norte

Em São José, um guardião da história criou o Museu da cidade

Disputa política e judicial causa insegurança em Porto do Mangue

Natal sem Natal: Zona Norte reivindica eventos e decoração natalina

População faz mobilização pela volta de Cherie para Caicó

Tradição em Caraúbas: banda de música prepara festejos a São Sebastião

Cmei da Zona Norte prepara Natal Solidário das crianças

Ipueirense visita sítios e faz arte em madeira morta

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.