Seridó é guardião do Doce Seco, uma sobremesa quase extinta
Natal, RN 20 de abr 2024

Seridó é guardião do Doce Seco, uma sobremesa quase extinta

28 de dezembro de 2023
6min
Seridó é guardião do Doce Seco, uma sobremesa quase extinta
Foto: Isaac Silva

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

O historiador e folclorista Câmara Cascudo disse sobre doce seco: “a casca é a farinha de mandioca, fina, feito angu, seca, com outra porção de farinha para abrir o ponto. A espécie, recheio, é feita de farinha de mandioca, sessada em peneira fina, gengibre, gergelim, castanha de caju, pimenta-do-reino, cravo, erva-doce, mel de rapadura...”

Com massa fina e crocante, recheado com “espécie”, o doce seco resiste no Seridó do Rio Grande do Norte, pelas mãos das doceiras Maria de Fátima da Silva, “Betinha Cafumbó”, de Caicó, Vandilza Gonçalves, de Jardim do Seridó, e Zélia Fernandes, de São João do Sabugi.

Betinha Cafumbó, 59 anos, cresceu assistindo as tias da família Cafumbó, na produção de raivinhas, sequilhos, biscoitos e doce seco. Betinha aprendeu a fazer doce seco com sua tia Nilza Cafumbó, quando tinha 30 anos, para atender a alta demanda de encomendas, principalmente em dezembro, com a chegada das festas natalinas.

Nos últimos anos, Betinha tem grande preocupação com a provável extinção do doce seco. Então, ela tem abraçado oportunidades de transmitir seu conhecimento, como em 2019, no Encontro de Doceiras do Seridó, em que Betinha fez a receita do doce seco, ao vivo, diante da plateia, e na segunda edição da Revista Bucho Cheio, lançada em dezembro de 2023, onde Betinha é destaque, com receita e modo de fazer.  

Vandilza Gonçalves da Silva, 58 anos, de Jardim do Seridó, ajudava sua avó Josefa Elvira a separar e moer os ingredientes para fazer o doce seco. A aprendizagem do doce seco, aconteceu naturalmente nesta convivência. Atualmente ela faz a sobremesa somente por encomenda.

Em São João do Sabugi, a tradição do doce seco é perpetuada pelas mãos de Zélia Fernandes, que conta com 87 anos. Foi com Maria Cabocla que Zélia aprendeu a fazer doce seco e, hoje, as filhas de Zélia também já fazem sob encomenda.

Foto: Isaac Silva

Nem frito, nem assado, o doce seco tem massa crocante graças à colaboração do vento. Se o ar estiver úmido, a massa não seca. Feito em várias etapas, pode demorar até três ou quatro dias para ser concluído e, ao final, pode ser decorado com colorau ou corante comestível. Na lembrança dos seridoenses, o doce seco é associado as tradicionais festas em família.

A professora aposentada Elvira de Assis, hoje com 74 anos, relata que o doce seco reunia a família no sítio Quixeré, município de São João do Sabugi, desde o fazer até o compartilhar na mesa, nas festas natalinas e outras comemorações importantes.

Quando tinha qualquer festa na Casa do Alto, toda família participava. Mamãe, tia Francisca Catarina, e as filhas dela, faziam o doce seco, em três dias. Os homens assavam a castanha, e elas ajudavam a quebrar, moer ou pilar pra usar na espécie. Acontecia principalmente em dezembro, para Noite de Natal e quando juntava os netos para Primeira Eucaristia. Eu criança, rodeava a mesa e tia Francisca dava um pouco da espécie, dizendo que, quando ficasse tudo pronto, chamava. Quando terminava, todo mundo saía pra casa, com uma vasilha com o doce seco”, relembra Elvira.

______________________________________________________________________________

Essa reportagem faz parte do projeto "Saiba Mais de perto", idealizado pela Agência SAIBA MAIS, e financiado com recursos do programa Acelerando Negócios Digitais, do ICFJ/Meta e apoio da Ajor.

Leia também:

Projeto Saiba Mais de Perto combate "desertos de notícias" no RN

Tibau: Estudantes participam da maior feira de ciências do mundo

Aldeia Sesc Seridó reúne artistas de Caicó em Cortejo Cultural

Comerciante morre em acidente por buraco na Zona Norte de Natal

Coletivos independentes movimentam a sétima arte em Mossoró

Seridó: Aos 93 anos, Maria Albino faz doces para acolher pessoas

Depois te Conto: jovens da Zona Norte criam série independente de humor

Caatinga:  famílias vivem da natureza no Parque Nacional da Furna Feia

CMEI na Zona Norte realiza exposição inspirada em Ariell Guerra

Currais Novos: Congresso das Batalhas reuniu artistas de Hip Hop

Maior produtor de atum do RN não leva pescado à mesa areia-branquense

Caicoense transformou a dor do luto em homenagem para 40 mulheres

Como resiste o afroempreendedorismo do outro lado da ponte

Medalhista mundial de Taekwondo conheceu esporte em associação de Assu

“No Seridó a Reza é Forte” destaca indígenas e africanos no RN

Zona Norte: projeto da UFRN leva comunicação para escola pública

Em Ouro Branco, a preservação do patrimônio coloriu a cidade

Fábrica de polpa de frutas transforma vida de mulheres agricultoras

As chuvas fortes em Natal e o caos na Zona Norte

Com 74 anos, Manoelzinho produz telas em latonagem e fotocorrosão

Patu: Cineatro leva reflexão social a estudantes de escolas públicas

Redinha: trabalhadores seguem desamparados após 3 meses de protestos

Jornal impresso “Quinzenal” resiste há 19 anos em Caicó

MPRN terá ação do projeto Pai Legal na Zona Norte

Saudade estimula artista a eternizar história de Upanema em quadros

Advogada levou o sertão poético de Caicó para Paris

Serra do Mel: rádio comunitária leva o bem à Vila Amazonas

DER responsabiliza prefeitura por acúmulo de areia na João Medeiros

Jurema Coletivo de Dança traz dança contemporânea para Caicó

“Fugi da prisão”: superação torna Chico Filho imortal em Martins

Trancistas: a valorização da cultura afro-brasileira na Zona Norte

Em São José, um guardião da história criou o Museu da cidade

Disputa política e judicial causa insegurança em Porto do Mangue

Natal sem Natal: Zona Norte reivindica eventos e decoração natalina

População faz mobilização pela volta de Cherie para Caicó

Tradição em Caraúbas: banda de música prepara festejos a São Sebastião

Cmei da Zona Norte prepara Natal Solidário das crianças

Ipueirense visita sítios e faz arte em madeira morta

Portalegre: Crianças quilombolas têm contato com ciência em pesquisa

Auto de Natal: espetáculo envolveu mais de 200 atores na Zona Norte

Dedicados à tecnologia, estudantes do IFRN são aprovados no INTELI

Em Areia Branca, minicidade vai levar crianças a exercitar a cidadania

Arte-Educador da Zona Norte levou arte com mosaicos para ExpoFavela

Projeto Trapiá Semente cria grupos de teatro pelo Seridó

Apodi: 1º museu indígena do RN preserva memória dos Tapuia Paiacus

Zona Norte: reforma da Ponte do Igapó piora trânsito e incomoda região

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.