A resistência dos pequenos artistas da Zona Norte
Natal, RN 21 de abr 2024

A resistência dos pequenos artistas da Zona Norte

3 de janeiro de 2024
8min
A resistência dos pequenos artistas da Zona Norte
Anthony usa técnica de artes com gravura - foto: Nikarla Raquel

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

No último dia 26 de dezembro, a Câmara Municipal de Natal aprovou uma matéria apresentada pelo prefeito Álvaro Dias (Republicanos), que reduz investimentos culturais na cidade. O incentivo à cultura, que já era pouco, ficou ainda mais reduzido. E se os artistas da capital potiguar já são impactados pela falta de apoio à cultura, os pequenos artistas da Zona Norte sofrem ainda mais com o descaso. 

Anthony Ederson, estudante de Artes Visuais na Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Arte-Educador e morador da Zona Norte, é enfático ao dizer que a região é negligenciada em vários aspectos e a cultura é só mais uma delas. O artista, que concentra os trabalhos em precariedades urbanas através de linguagens como a gravura, comenta a dificuldade de ser um artista da Zona Norte. 

A falta de oferta de eventos e espaços expositivos para as artes visuais na Zona Norte é imensa. Existe uma escassez em todas as áreas artísticas. Se a ação não gera lucro imediato, ninguém quer investir”, destaca. 

A população da Zona Norte praticamente não tem acesso a exposições culturais e artísticas, muito menos a obras, oficinas, seminários e outros eventos.

Todas as ofertas de oficinas, seminários, exposições, mostras e demais eventos acontecem no eixo Centro/Zona Sul da cidade. O cidadão da Zona Norte não tem acesso à Pinacoteca, galerias do Sesc e todos os outros espaços que recebem essas ofertas culturais. Sem falar da precariedade do transporte. Em Natal, os jovens da ZN precisam decidir se pegam o ônibus de 22h30 para ir para casa antes da festa começar, ou se dormem na rua depois que a festa acaba”, denuncia o artista. 

Luiza Tenório, também é estudante de Artes Visuais na UFRN e conta como ser artista na Zona Norte a faz sentir-se isolada do restante da cidade.

Uma região frequentemente negligenciada, não apenas de recursos básicos, mas também culturalmente. As oportunidades parecem sempre ser direcionadas para outras áreas, tornando-se desafiador prosperar artisticamente.”, reclama.

Para Luiza, “observar o funcionamento do sistema cultural da cidade, com a falta de interesse nos aspectos artísticos e a redução urgente de investimentos para cultura, é, por vezes, desanimador”. 

A artista avalia que é como se a classe precisasse constantemente provar a importância da arte e de como ela vai além do entretenimento. A jovem reforça que arte também é educação e pesquisa, e que isso precisa de incentivos para poder avançar.

A arte é a expressão e demarcação da cultura de um povo”, explica. 

Luiza, que atualmente busca consolidar sua presença artística através de seus trabalhos com gravuras, bordados e composições que utilizam diversos tipos de materiais, valorizando a singularidade da matéria como pilar na produção, enfrenta outro problema bastante comum no meio artístico: o ser mulher. 

Luiza trabalha com bordados e gravuras - foto: cedida

Além das adversidades culturais, é crucial destacar o machismo enraizado nas margens da sociedade e entrelaçado no circuito artístico. Mulheres artistas enfrentam desafios adicionais para serem reconhecidas e ocuparem espaços. A arte de uma mulher precisa transcender para cativar, enquanto artistas masculinos muitas vezes não enfrentam esse mesmo padrão exigente”, alerta a artista. 

Redução de incentivos culturais na Lei Djalma Maranhão

Com as mudanças na Lei Djalma Maranhão, que reduzem incentivos fiscais para financiar projetos culturais, a classe artística ouvida pela Agência Saiba Mais aguarda, em 2024, a queda em espetáculos e eventos culturais em Natal e também a redução de projetos gratuitos. 

Anthony acredita que os impactos dessas mudanças serão sentidas por pequenos artistas a longo prazo e os trabalhadores, comerciantes e vendedores ambulantes serão afetados diretamente pela baixa quantidade de eventos públicos.

É uma pena o legislativo ter ignorado a grande quantidade de propostas enviadas pela classe artística para tornar essa lei melhor e mais acessível para os pequenos agentes culturais”, pontuou. 

A longo prazo os artistas e cidadãos da cidade não vão poder nem ter o direito de assistir as poucas atrações gratuitas que acontecem na cidade. Sem falar que, com a ausência desses recursos, os grandes produtores vão procurar captar meios em outros editais destinados a classe artística com menos estrutura”, finaliza. 

______________________________________________________________________________

Essa reportagem faz parte do projeto "Saiba Mais de perto", idealizado pela Agência SAIBA MAIS, e financiado com recursos do programa Acelerando Negócios Digitais, do ICFJ/Meta e apoio da Ajor.

Leia também:

Projeto Saiba Mais de Perto combate "desertos de notícias" no RN

Tibau: Estudantes participam da maior feira de ciências do mundo

Aldeia Sesc Seridó reúne artistas de Caicó em Cortejo Cultural

Comerciante morre em acidente por buraco na Zona Norte de Natal

Coletivos independentes movimentam a sétima arte em Mossoró

Seridó: Aos 93 anos, Maria Albino faz doces para acolher pessoas

Depois te Conto: jovens da Zona Norte criam série independente de humor

Caatinga:  famílias vivem da natureza no Parque Nacional da Furna Feia

CMEI na Zona Norte realiza exposição inspirada em Ariell Guerra

Currais Novos: Congresso das Batalhas reuniu artistas de Hip Hop

Maior produtor de atum do RN não leva pescado à mesa areia-branquense

Caicoense transformou a dor do luto em homenagem para 40 mulheres

Como resiste o afroempreendedorismo do outro lado da ponte

Medalhista mundial de Taekwondo conheceu esporte em associação de Assu

“No Seridó a Reza é Forte” destaca indígenas e africanos no RN

Zona Norte: projeto da UFRN leva comunicação para escola pública

Em Ouro Branco, a preservação do patrimônio coloriu a cidade

Fábrica de polpa de frutas transforma vida de mulheres agricultoras

As chuvas fortes em Natal e o caos na Zona Norte

Com 74 anos, Manoelzinho produz telas em latonagem e fotocorrosão

Patu: Cineatro leva reflexão social a estudantes de escolas públicas

Redinha: trabalhadores seguem desamparados após 3 meses de protestos

Jornal impresso “Quinzenal” resiste há 19 anos em Caicó

MPRN terá ação do projeto Pai Legal na Zona Norte

Saudade estimula artista a eternizar história de Upanema em quadros

Advogada levou o sertão poético de Caicó para Paris

Serra do Mel: rádio comunitária leva o bem à Vila Amazonas

DER responsabiliza prefeitura por acúmulo de areia na João Medeiros

Jurema Coletivo de Dança traz dança contemporânea para Caicó

“Fugi da prisão”: superação torna Chico Filho imortal em Martins

Trancistas: a valorização da cultura afro-brasileira na Zona Norte

Em São José, um guardião da história criou o Museu da cidade

Disputa política e judicial causa insegurança em Porto do Mangue

Natal sem Natal: Zona Norte reivindica eventos e decoração natalina

População faz mobilização pela volta de Cherie para Caicó

Tradição em Caraúbas: banda de música prepara festejos a São Sebastião

Cmei da Zona Norte prepara Natal Solidário das crianças

Ipueirense visita sítios e faz arte em madeira morta

Portalegre: Crianças quilombolas têm contato com ciência em pesquisa

Auto de Natal: espetáculo envolveu mais de 200 atores na Zona Norte

Dedicados à tecnologia, estudantes do IFRN são aprovados no INTELI

Em Areia Branca, minicidade vai levar crianças a exercitar a cidadania

Arte-Educador da Zona Norte levou arte com mosaicos para ExpoFavela

Projeto Trapiá Semente cria grupos de teatro pelo Seridó

Apodi: 1º museu indígena do RN preserva memória dos Tapuia Paiacus

Zona Norte: reforma da Ponte do Igapó piora trânsito e incomoda região

Seridó é guardião do Doce Seco, uma sobremesa quase extinta

Costa Branca: fogos na virada do ano serão sem ruídos

Lei Paulo Gustavo fomenta criação de documentários sobre o Seridó

Zona Norte: pontes interditadas geram insegurança à virada do ano

Adolescente de São José do Seridó é destaque do Unicef Brasil

Casa paroquial guarda história de Lampião em Marcelino Vieira

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.