Skatistas da Zona Norte devem ganhar espaço próprio para atividade
Natal, RN 2 de mar 2024

Skatistas da Zona Norte devem ganhar espaço próprio para atividade

12 de janeiro de 2024
8min
Skatistas da Zona Norte devem ganhar espaço próprio para atividade
Esporte permite a execução de manobras leves e radicais - Foto: Redes Sociais /Jhon Ribeiro

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

O skate é um esporte que vai além de uma prancha com rodas. Para muitos adultos, jovens e crianças, especialmente de periferias, a modalidade é, na verdade, mais que um estilo de vida. A Zona Norte de Natal é uma região que não possui espaços adequados para a prática da atividade, porém isso pode mudar. A prefeitura de Natal tornou público no último dia (03) um aviso de agendamento para licitação da construção da primeira pista de skate na região. 

A nova pista, que terá o formato Bowl, estilo que proporciona maior velocidade sem que o atleta tire os pés do chão, será construída no Conjunto Santarém e terá um investimento de R$ 251 mil. A data de abertura do processo para as empresas interessadas em executar a obra será no dia 23 de janeiro. 

Nova pista pode potencializar presença de públicos em torneios - Créditos: Arte: SEL

O formato Bowl, além de proporcionar mais atletas na pista, traz algumas vantagens construtivas porque a sua estrutura é construída diretamente no solo o que elimina a necessidade de formas no fundo e diminui os efeitos das variações térmicas ambientais que podem causar fissuras no concreto. 

Falta espaços para prática de esporte

Jhon Ribeiro, morador do bairro do Igapó e skatista, conta que sua paixão pelo esporte começou ainda quando ele era criança. Com 8 anos e enquanto jogava videogame, o pequeno viu a possibilidade de praticar aquilo ali na vida real. Só que com poucas condições financeiras, o sonho do garoto demorou um pouco para ser realizado.

Na época, o skate era considerado um esporte de ‘playboy’, por ter um alto custo. Lembro até hoje que o primeiro skate que eu tive, foi um do Homem-Aranha que meus pais compraram na promoção de R$ 19,90”, recorda. 

Embora a notícia da possível nova pista seja promissora, é importante lembrar que os skatistas da Zona Norte não possuem um local adequado para praticar o esporte. Na realidade, um dos únicos espaços destinados para isso, é uma antiga pista, próxima ao Supermercado Nordestão do conjunto Santa Catarina, no bairro Potengi. Entretanto, a pista é velha, mal iluminada e esburacada. 

Para os praticantes do esporte, é por isso que inúmeros jovens perdem a oportunidade de se aprimorar no esporte, desenvolver habilidades e treinar de maneira digna. O skate, atualmente, é reconhecido como uma atividade recreativa esportiva e foi incluído nos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020, e está nos Jogos Olímpicos de Paris que acontece este ano.

Cara, fazer skate sem um lugar bacana e sem grana pra consertar as peças é osso. É tipo se virar nos trinta, arrumar jeitos alternativos de praticar, dar um jeito de improvisar pra não deixar a vibe do skate morrer. Muitos skatistas encontram maneiras criativas, como usar áreas públicas (street) ou espaços improvisados ou até mesmo criam os obstáculos”, pontuou Ribeiro relatando a dificuldade que os skatistas enfrentam.

Não ter uma pista boa é o que mais atrapalha, mas o importante é não parar de praticar. Não ter uma pista boa, não ter as peças e equipamentos necessários. Mas é como chorão falava: ‘eu faço da dificuldade a minha motivação’”, completa. 

John comenta de como o skate é mais que um estilo de vida para muitos jovens da periferia.

Na verdade, o real skate tá dentro da gente. Não é só um esporte, não é só um pedaço de madeira com quatro rodas, vai além disso tudo”, comenta. Ele finaliza contando como foi através do skate que conheceu muitas pessoas que acabaram virando a sua família. O esporte, em muitos casos, é a maneira que muitos jovens e adultos encontram de dar sentido à vida. 

______________________________________________________________________________

Essa reportagem faz parte do projeto "Saiba Mais de perto", idealizado pela Agência SAIBA MAIS, e financiado com recursos do programa Acelerando Negócios Digitais, do ICFJ/Meta e apoio da Ajor.

Leia também:

Projeto Saiba Mais de Perto combate "desertos de notícias" no RN

Tibau: Estudantes participam da maior feira de ciências do mundo

Aldeia Sesc Seridó reúne artistas de Caicó em Cortejo Cultural

Comerciante morre em acidente por buraco na Zona Norte de Natal

Coletivos independentes movimentam a sétima arte em Mossoró

Seridó: Aos 93 anos, Maria Albino faz doces para acolher pessoas

Depois te Conto: jovens da Zona Norte criam série independente de humor

Caatinga:  famílias vivem da natureza no Parque Nacional da Furna Feia

CMEI na Zona Norte realiza exposição inspirada em Ariell Guerra

Currais Novos: Congresso das Batalhas reuniu artistas de Hip Hop

Maior produtor de atum do RN não leva pescado à mesa areia-branquense

Caicoense transformou a dor do luto em homenagem para 40 mulheres

Como resiste o afroempreendedorismo do outro lado da ponte

Medalhista mundial de Taekwondo conheceu esporte em associação de Assu

“No Seridó a Reza é Forte” destaca indígenas e africanos no RN

Zona Norte: projeto da UFRN leva comunicação para escola pública

Em Ouro Branco, a preservação do patrimônio coloriu a cidade

Fábrica de polpa de frutas transforma vida de mulheres agricultoras

As chuvas fortes em Natal e o caos na Zona Norte

Com 74 anos, Manoelzinho produz telas em latonagem e fotocorrosão

Patu: Cineatro leva reflexão social a estudantes de escolas públicas

Redinha: trabalhadores seguem desamparados após 3 meses de protestos

Jornal impresso “Quinzenal” resiste há 19 anos em Caicó

MPRN terá ação do projeto Pai Legal na Zona Norte

Saudade estimula artista a eternizar história de Upanema em quadros

Advogada levou o sertão poético de Caicó para Paris

Serra do Mel: rádio comunitária leva o bem à Vila Amazonas

DER responsabiliza prefeitura por acúmulo de areia na João Medeiros

Jurema Coletivo de Dança traz dança contemporânea para Caicó

“Fugi da prisão”: superação torna Chico Filho imortal em Martins

Trancistas: a valorização da cultura afro-brasileira na Zona Norte

Em São José, um guardião da história criou o Museu da cidade

Disputa política e judicial causa insegurança em Porto do Mangue

Natal sem Natal: Zona Norte reivindica eventos e decoração natalina

População faz mobilização pela volta de Cherie para Caicó

Tradição em Caraúbas: banda de música prepara festejos a São Sebastião

Cmei da Zona Norte prepara Natal Solidário das crianças

Ipueirense visita sítios e faz arte em madeira morta

Portalegre: Crianças quilombolas têm contato com ciência em pesquisa

Auto de Natal: espetáculo envolveu mais de 200 atores na Zona Norte

Dedicados à tecnologia, estudantes do IFRN são aprovados no INTELI

Em Areia Branca, minicidade vai levar crianças a exercitar a cidadania

Arte-Educador da Zona Norte levou arte com mosaicos para ExpoFavela

Projeto Trapiá Semente cria grupos de teatro pelo Seridó

Apodi: 1º museu indígena do RN preserva memória dos Tapuia Paiacus

Zona Norte: reforma da Ponte do Igapó piora trânsito e incomoda região

Seridó é guardião do Doce Seco, uma sobremesa quase extinta

Costa Branca: fogos na virada do ano serão sem ruídos

Lei Paulo Gustavo fomenta criação de documentários sobre o Seridó

Zona Norte: pontes interditadas geram insegurança à virada do ano

Adolescente de São José do Seridó é destaque do Unicef Brasil

Casa paroquial guarda história de Lampião em Marcelino Vieira

A resistência dos pequenos artistas da Zona Norte

Geógrafo de São João do Sabugi cria cartilha sobre o bioma da Caatinga

Mangue é cenário para restaurante em Grossos

Redinha: prefeitura promete Mercado para março; trabalhadores duvidam

Caicó e Acari conquistaram quatro prêmios do Troféu Cultura 2023

Patu ganhará Via Sacra com 33 esculturas de concreto

Grupo Reviver realiza mamografias na Zona Norte

Em Jucurutu, Recanto da Tapera tem afeto e história no prato

Mossoró: estudante surda lança livro após ganhar prêmios de ciências

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.