Esmeraldina e Priscila Candice: a missão pelos animais em Caicó
Natal, RN 23 de fev 2024

Esmeraldina e Priscila Candice: a missão pelos animais em Caicó

13 de janeiro de 2024
10min
Esmeraldina e Priscila Candice: a missão pelos animais em Caicó

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Diariamente em Caicó, é perceptível pessoas na missão de tentar suprir a necessidade de alimento e água aos animais de rua. Nos bairros, no centro, em toda parte, há os protetores de animais que, incansavelmente, desempenham esta missão.

Na zona oeste de Caicó, Priscila Candice Faustino Rocha, de 38 anos, tem esta missão de alimentar animais de rua, assim como sua mãe, dona Terezinha Maria Faustino Rocha, de 55 anos. Priscila mora no bairro Barra Nova, e, para todo lugar que vai, leva um pouco de ração na bolsa, porque se aparecer algum animal com fome, ela tem como amenizar a necessidade.

Priscila Candice desde 2014 alimenta animais na zona Oeste de Caicó 

Ela conta que o início foi há quase 10 anos, em 2014, quando percebeu nas proximidades de casa, animais abandonados.

Meu coração me colocou no lugar deles. Desde então, todos os dias, pela manhã cedinho e à tardinha, eu e minha mãe temos este cuidado de oferecer alimentos e água.  À noite, minha mãe até coloca alguns para dormir na área daqui de casa, com receio dos veículos que passam pela rua. Mas temos todo cuidado com a higiene do ambiente que eles ficam resguardados”, destaca Priscila Candice. 

Priscila diz que alimenta aproximadamente 15 gatos e 2 cachorros, e sua mãe alimenta cerca de 40 animais na proximidades de casa. Mesmo sendo um número significativo de animais, Priscila percebe quando algum deles desaparece dos locais que costuma ficar, e faz busca nos arredores tentando localizar. Além da ração, ela e sua mãe compram mortadela, salsicha, fígado e moela, para misturar à ração. É uma forma de aumentar a quantidade de alimento, com um custo mais barato que a compra de ração.

Quando surge necessidade de cuidado com veterinário, Priscila conta que elas custeiam com recursos próprios e muitas vezes, contam com ajuda de ONG local, mas ressalta que é uma luta árdua.

Muitas vezes contamos com a ONG Ampara, que tem Gracinha Maia como responsável, inclusive quando ela recebe apoio através de emenda do município de Caicó, também contribui com ração. É muito difícil a luta pela causa animal, sofremos discriminação, preconceito, mas, não vamos deixar de fazer!”, assegura Priscila Candice.

Assim como Priscila e sua mãe, a professora Esmeraldina Medeiros, tem o cuidado com animais na zona leste do município, de forma que todos os dias faz o percurso da UFRN até o bairro Vila Altiva, disponibilizando água e alimento para cães e gatos. Com uma sacola nas mãos, com grande quantidade de ração, e um tambor com água, ela segue caminhando pelas ruas, indo ao encontro dos animais.

Esmeraldina diz que desde a infância, tanto ela quanto os irmãos, tinham animais de estimação, mas o cuidado com animais de rua começou em 2010, quando percebeu a quantidade significativa de animais abandonados pelas ruas de Caicó. Em 2013, com outras pessoas interessadas na causa animal, Esmeraldina conseguiu abrir a Associação Caicoense de Proteção aos Animais e o Meio Ambiente (ACAPAM).

Esmeraldina Medeiros foi uma das fundadoras da ACAPAM em Caicó RN

Suerda Medeiros me chamou para dar entrevista em seu programa na rádio e começamos a discutir sobre formar uma ONG. Convocamos pessoas para uma reunião em auditório da rádio, e encaminhamos documentação para fundar uma ONG. Em fevereiro de 2013, abrimos de fato a ONG, alugamos um sítio, com a ‘cara e a coragem’, sem recursos, e abrimos a ACAPAM”, relembra Esmeraldina.

Depois de permanecer à frente da ONG por dois anos, a associação passou a ser coordenada por outras pessoas do mesmo grupo de protetores de animais, mas como dava assistência aos animais debilitados que encontrava nas ruas, Esmeraldina acabou tendo muitos animais em sua própria casa.

Fiquei à frente da ACAPAM por dois anos, depois vieram outros sucessores que faziam parte do mesmo grupo e eu comecei também a trazer para casa. Via debilitado, levava pra clínica, cuidava e trazia pra casa. Quando pisquei o olho já tinha uma ONG em casa também. Hoje tenho mais de 40 gatos em casa, tenho 03 cães, e na rua alimento mais de 20 cães na rua, em torno de 60 a 80 gatos na rua”, diz Esmeraldina.

Além deste cuidado com os animais de casa e os de rua, que segue alimentando todos os dias, Esmeraldina tem um foco na sua causa, que é a castração. Assim, todos os meses ela leva uma gata de rua para uma clínica e custeia a castração. Como solução para a situação dos animais de rua, ela explica que é fundamental uma Clínica Veterinária Popular.

O castra móvel não é a solução, porque a política de castra móvel não abrange animal de rua. Para castrar animais de rua, deveria ter um espaço para o pós-operatório, que dura de 8 a 15 dias. O interessante seria um Hospital Público ou uma Clínica Popular, com preços acessíveis, para castrar animais de protetores de baixa renda, e também animais de rua, tendo um espaço para o pós-operatório, onde os animais ficassem até que a própria instituição e as ONGs se responsabilizassem por feiras de adoção”, avalia.

Diante da problemática, a protetora de animais aponta uma esperança para quem defende a causa animal, que é a previsão de emendas anuais para os municípios, através do Ministério do Meio Ambiente.

Agora temos o Ministério do Meio Ambiente que abarcou também os animais domésticos, e vamos ter um percentual de emendas, liberadas anualmente para os municípios, destinados para a castração dos animais de rua, então, que sejam criados estes espaços para o pós-operatório”, conclui Esmeraldina.

______________________________________________________________________________

Essa reportagem faz parte do projeto "Saiba Mais de perto", idealizado pela Agência SAIBA MAIS, e financiado com recursos do programa Acelerando Negócios Digitais, do ICFJ/Meta e apoio da Ajor.

Leia também:

Projeto Saiba Mais de Perto combate "desertos de notícias" no RN

Tibau: Estudantes participam da maior feira de ciências do mundo

Aldeia Sesc Seridó reúne artistas de Caicó em Cortejo Cultural

Comerciante morre em acidente por buraco na Zona Norte de Natal

Coletivos independentes movimentam a sétima arte em Mossoró

Seridó: Aos 93 anos, Maria Albino faz doces para acolher pessoas

Depois te Conto: jovens da Zona Norte criam série independente de humor

Caatinga:  famílias vivem da natureza no Parque Nacional da Furna Feia

CMEI na Zona Norte realiza exposição inspirada em Ariell Guerra

Currais Novos: Congresso das Batalhas reuniu artistas de Hip Hop

Maior produtor de atum do RN não leva pescado à mesa areia-branquense

Caicoense transformou a dor do luto em homenagem para 40 mulheres

Como resiste o afroempreendedorismo do outro lado da ponte

Medalhista mundial de Taekwondo conheceu esporte em associação de Assu

“No Seridó a Reza é Forte” destaca indígenas e africanos no RN

Zona Norte: projeto da UFRN leva comunicação para escola pública

Em Ouro Branco, a preservação do patrimônio coloriu a cidade

Fábrica de polpa de frutas transforma vida de mulheres agricultoras

As chuvas fortes em Natal e o caos na Zona Norte

Com 74 anos, Manoelzinho produz telas em latonagem e fotocorrosão

Patu: Cineatro leva reflexão social a estudantes de escolas públicas

Redinha: trabalhadores seguem desamparados após 3 meses de protestos

Jornal impresso “Quinzenal” resiste há 19 anos em Caicó

MPRN terá ação do projeto Pai Legal na Zona Norte

Saudade estimula artista a eternizar história de Upanema em quadros

Advogada levou o sertão poético de Caicó para Paris

Serra do Mel: rádio comunitária leva o bem à Vila Amazonas

DER responsabiliza prefeitura por acúmulo de areia na João Medeiros

Jurema Coletivo de Dança traz dança contemporânea para Caicó

“Fugi da prisão”: superação torna Chico Filho imortal em Martins

Trancistas: a valorização da cultura afro-brasileira na Zona Norte

Em São José, um guardião da história criou o Museu da cidade

Disputa política e judicial causa insegurança em Porto do Mangue

Natal sem Natal: Zona Norte reivindica eventos e decoração natalina

População faz mobilização pela volta de Cherie para Caicó

Tradição em Caraúbas: banda de música prepara festejos a São Sebastião

Cmei da Zona Norte prepara Natal Solidário das crianças

Ipueirense visita sítios e faz arte em madeira morta

Portalegre: Crianças quilombolas têm contato com ciência em pesquisa

Auto de Natal: espetáculo envolveu mais de 200 atores na Zona Norte

Dedicados à tecnologia, estudantes do IFRN são aprovados no INTELI

Em Areia Branca, minicidade vai levar crianças a exercitar a cidadania

Arte-Educador da Zona Norte levou arte com mosaicos para ExpoFavela

Projeto Trapiá Semente cria grupos de teatro pelo Seridó

Apodi: 1º museu indígena do RN preserva memória dos Tapuia Paiacus

Zona Norte: reforma da Ponte do Igapó piora trânsito e incomoda região

Seridó é guardião do Doce Seco, uma sobremesa quase extinta

Costa Branca: fogos na virada do ano serão sem ruídos

Lei Paulo Gustavo fomenta criação de documentários sobre o Seridó

Zona Norte: pontes interditadas geram insegurança à virada do ano

Adolescente de São José do Seridó é destaque do Unicef Brasil

Casa paroquial guarda história de Lampião em Marcelino Vieira

A resistência dos pequenos artistas da Zona Norte

Geógrafo de São João do Sabugi cria cartilha sobre o bioma da Caatinga

Mangue é cenário para restaurante em Grossos

Redinha: prefeitura promete Mercado para março; trabalhadores duvidam

Caicó e Acari conquistaram quatro prêmios do Troféu Cultura 2023

Patu ganhará Via Sacra com 33 esculturas de concreto

Grupo Reviver realiza mamografias na Zona Norte

Em Jucurutu, Recanto da Tapera tem afeto e história no prato

Mossoró: estudante surda lança livro após ganhar prêmios de ciências

Skatistas da Zona Norte devem ganhar espaço próprio para atividade

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.