Acari e Ipueira tiveram alunos do IFRN com 1000 na redação do Enem
Natal, RN 2 de mar 2024

Acari e Ipueira tiveram alunos do IFRN com 1000 na redação do Enem

21 de janeiro de 2024
10min
Acari e Ipueira tiveram alunos do IFRN com 1000 na redação do Enem

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Em 2023, o tema da redação do Enem foi “Desafios para o enfrentamento da invisibilidade do trabalho de cuidado, realizado pela mulher no Brasil”. Em todo Brasil, 60 estudantes conseguiram nota 1000, ficando o Rio Grande do Norte no segundo lugar entre os Estados com maior número de nota máxima, totalizando seis estudantes. Entre os potiguares de nota campeã, estão os seridoenses: Nathália Ludimila Silva de Araújo, 21 anos, de Acari, que estudou o Ensino Médio no IFRN de Currais Novos, e João Pedro Marinho de Oliveira, de 20 anos, de Ipueira, que cursou Ensino Médio no IFRN de Caicó.

Natália concluiu o Ensino Médio há dois anos. O curso almejado sempre foi Medicina, e durante os dois anos após o Ensino Médio, ela optou em estudar em casa, tendo o suporte de cursinhos online. João Pedro pretende cursar Direito e concluiu o Ensino Médio em 2022, mas no Enem anterior foi desclassificado, porque faltando poucos minutos para entregar a prova, seu celular tocou. Natália e João Pedro ficaram surpresos com o tema da redação, mas os anos de estudo com muita leitura e prática da redação, aliados a percepção desta realidade tão comum entre as mulheres, favoreceu no resultado.

Foto cedida: Natália Ludimila pretende cursar Medicina

Quando eu me deparei com o tema, achei bastante desafiador. Não era algo que eu estava esperando, mas, ao mesmo tempo, fiquei feliz com o assunto que estava sendo abordado, por tratar-se de uma temática tão importante. Então, tentei manter a calma, apesar do choque inicial, e foquei em construir uma argumentação coesa com os repertórios que eu selecionei naquele momento”, revela Natália Ludimila.

Para João Pedro, a nota 1000 ainda parece um sonho. Mas quando faz uma retrospectiva da vida estudantil, ele destaca que desde a escola pública municipal de sua cidade, Ipueira, até o Ensino Médio, no IFRN, houve muito estímulo para a leitura e prática da redação. Com o passar do tempo, João Pedro já colaborava com os irmãos nas orientações sobre a estrutura e argumentação de redação.

Foto Daniel Medeiros - João Pedro pretende cursar Direito

Ainda está sendo um desafio acreditar que alcancei esta nota, que para mim seria um sonho. Quando li a frase temática eu fiquei um pouco nervoso. Na minha preparação, eu não tinha feito uma redação nesse eixo temático, e não esperava esse tema, com essa abordagem. Mas quando li os textos motivadores, comecei a conectar um pouco da realidade da minha casa, e de muitas outras pessoas da minha família, em que as mulheres dedicam, o seu tempo diário, a estes trabalhos de cuidado; como o tema sugeria. Minha vida estudantil foi marcada por um grande incentivo, por parte dos professores. A escola possibilitou recursos para que eu evoluísse como estudante, tinha olimpíadas de redação internas e externas que eram uma forma de estimular a competitividade e foi aí que comecei a querer saber escrever e aprendi aqui, com professores, e sempre demonstrei muita dedicação”, relata João Pedro.

Natália considera que seu estímulo para a leitura, partiu principalmente de sua mãe, que é professora. Desde criança ela desenvolveu o hábito da leitura e consequentemente, adquiriu aptidão para a escrita.

Minha mãe é professora, então, eu sempre fui muito estimulada, desde criança a ler diversas coisas. Quando eu cresci, eu continuei com esse hábito. Sempre busquei ler sobre os assuntos que eu me interessava, e que eu achava importantes para serem abordados no Enem, seja por meio de artigos, livros, ou matérias que eu achava online”, diz Natália.

Sobre a organização do estudo, com foco no Enem, ela explica que nos dois últimos anos, após concluir o ensino médio, estudou em cursinhos online e montou estratégias, determinando atividades para cada horário.

Eu utilizava o período da manhã e da tarde para assistir aulas online, ler sobre assuntos que eu julgava importantes, realizar e corrigir exercícios anteriores do Enem, e praticar bastante a redação. No período da noite eu buscava descansar e passar um tempo com a minha família, fazendo coisas que eu gostava”, destaca.

Filho de agricultores, João Pedro também ressalta que na sua família sempre houve muito incentivo dos pais, para a dedicação aos estudos. João Pedro é o filho caçula, e seus irmãos já estão na faculdade. O irmão cursa Ciências Contábeis e a irmã, Serviço Social. A escolha de João Pedro é pelo curso de Direito e ele diz que atualmente tem interesse, principalmente, pelo Direito Civil e Direito Administrativo.  

Admiro o curso de Direito em toda sua extensão, desde as disciplinas mais elementares, até às mais complexas, e as diversas áreas que propiciam, na prática, todas as profissões possíveis de serem desempenhadas. Como profissional e como pessoa que tem seus propósitos, eu acredito que as áreas de Direito Civil e Direito Administrativo são as que mais me interessam. Pode ser que isso mude, já que tenho uma noção superficial em relação ao curso”, conclui João Pedro.

No Rio Grande do Norte, seis participantes atingiram a nota máxima na redação da edição 2023 do Enem, incluindo três estudantes que cursaram o Ensino Médio no IFRN: Gabriela Gurgel, do Campus Natal-Central, que concluiu neste ano de 2023; Natália que há dois anos concluiu no IFRN de Currais Novos, e João Pedro, que concluiu em 2022, no IFRN do Campus de Caicó.

Conforme o Ministério da Educação, em 2022 a nota 1000 foi atingida por 18 estudantes, comprovando que houve um aumento significativo no ano de 2023, com 60 pessoas alcançando a nota máxima no país. A região Nordeste foi campeã com 25 notas 1000, em 2023.

______________________________________________________________________________

Essa reportagem faz parte do projeto "Saiba Mais de perto", idealizado pela Agência SAIBA MAIS, e financiado com recursos do programa Acelerando Negócios Digitais, do ICFJ/Meta e apoio da Ajor.

Leia também:

Projeto Saiba Mais de Perto combate "desertos de notícias" no RN

Tibau: Estudantes participam da maior feira de ciências do mundo

Aldeia Sesc Seridó reúne artistas de Caicó em Cortejo Cultural

Comerciante morre em acidente por buraco na Zona Norte de Natal

Coletivos independentes movimentam a sétima arte em Mossoró

Seridó: Aos 93 anos, Maria Albino faz doces para acolher pessoas

Depois te Conto: jovens da Zona Norte criam série independente de humor

Caatinga:  famílias vivem da natureza no Parque Nacional da Furna Feia

CMEI na Zona Norte realiza exposição inspirada em Ariell Guerra

Currais Novos: Congresso das Batalhas reuniu artistas de Hip Hop

Maior produtor de atum do RN não leva pescado à mesa areia-branquense

Caicoense transformou a dor do luto em homenagem para 40 mulheres

Como resiste o afroempreendedorismo do outro lado da ponte

Medalhista mundial de Taekwondo conheceu esporte em associação de Assu

“No Seridó a Reza é Forte” destaca indígenas e africanos no RN

Zona Norte: projeto da UFRN leva comunicação para escola pública

Em Ouro Branco, a preservação do patrimônio coloriu a cidade

Fábrica de polpa de frutas transforma vida de mulheres agricultoras

As chuvas fortes em Natal e o caos na Zona Norte

Com 74 anos, Manoelzinho produz telas em latonagem e fotocorrosão

Patu: Cineatro leva reflexão social a estudantes de escolas públicas

Redinha: trabalhadores seguem desamparados após 3 meses de protestos

Jornal impresso “Quinzenal” resiste há 19 anos em Caicó

MPRN terá ação do projeto Pai Legal na Zona Norte

Saudade estimula artista a eternizar história de Upanema em quadros

Advogada levou o sertão poético de Caicó para Paris

Serra do Mel: rádio comunitária leva o bem à Vila Amazonas

DER responsabiliza prefeitura por acúmulo de areia na João Medeiros

Jurema Coletivo de Dança traz dança contemporânea para Caicó

“Fugi da prisão”: superação torna Chico Filho imortal em Martins

Trancistas: a valorização da cultura afro-brasileira na Zona Norte

Em São José, um guardião da história criou o Museu da cidade

Disputa política e judicial causa insegurança em Porto do Mangue

Natal sem Natal: Zona Norte reivindica eventos e decoração natalina

População faz mobilização pela volta de Cherie para Caicó

Tradição em Caraúbas: banda de música prepara festejos a São Sebastião

Cmei da Zona Norte prepara Natal Solidário das crianças

Ipueirense visita sítios e faz arte em madeira morta

Portalegre: Crianças quilombolas têm contato com ciência em pesquisa

Auto de Natal: espetáculo envolveu mais de 200 atores na Zona Norte

Dedicados à tecnologia, estudantes do IFRN são aprovados no INTELI

Em Areia Branca, minicidade vai levar crianças a exercitar a cidadania

Arte-Educador da Zona Norte levou arte com mosaicos para ExpoFavela

Projeto Trapiá Semente cria grupos de teatro pelo Seridó

Apodi: 1º museu indígena do RN preserva memória dos Tapuia Paiacus

Zona Norte: reforma da Ponte do Igapó piora trânsito e incomoda região

Seridó é guardião do Doce Seco, uma sobremesa quase extinta

Costa Branca: fogos na virada do ano serão sem ruídos

Lei Paulo Gustavo fomenta criação de documentários sobre o Seridó

Zona Norte: pontes interditadas geram insegurança à virada do ano

Adolescente de São José do Seridó é destaque do Unicef Brasil

Casa paroquial guarda história de Lampião em Marcelino Vieira

A resistência dos pequenos artistas da Zona Norte

Geógrafo de São João do Sabugi cria cartilha sobre o bioma da Caatinga

Mangue é cenário para restaurante em Grossos

Redinha: prefeitura promete Mercado para março; trabalhadores duvidam

Caicó e Acari conquistaram quatro prêmios do Troféu Cultura 2023

Patu ganhará Via Sacra com 33 esculturas de concreto

Grupo Reviver realiza mamografias na Zona Norte

Em Jucurutu, Recanto da Tapera tem afeto e história no prato

Mossoró: estudante surda lança livro após ganhar prêmios de ciências

Skatistas da Zona Norte devem ganhar espaço próprio para atividade

Esmeraldina e Priscila Candice: a missão pelos animais em Caicó

São João do Sabugi realiza “Zé Pereira” há mais de 100 anos

Em Umarizal, famílias aguardam sinal para substituir parabólica

Há 20 anos, Lar da Dona Fátima acolhe animais na Zona Norte

Em prol da comunidade, Dona Maria acolhe ações sociais em Caicó

Promessa tornou areia-branquense 1ª mulher condutora do Samu no RN

Artistas de Graffiti levam resistência e cor para Zona Norte

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.