Artistas de Graffiti levam resistência e cor para Zona Norte
Natal, RN 2 de mar 2024

Artistas de Graffiti levam resistência e cor para Zona Norte

19 de janeiro de 2024
10min
Artistas de Graffiti levam resistência e cor para Zona Norte
Arte feita na comunidade Dom Pedro, no bairro Pajuçara, durante o festival AcordaRua. Foto: Erre Rodrigo

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

O grafitti é uma expressão cultural que promove e valoriza o trabalho e a vivência de pessoas que são esquecidas da sociedade. Sendo considerado um dos 4 pilares do Hip Hop, o grafitti ainda sofre as mazelas e os preconceitos de uma arte original de periferia.

Todos que estão envolvidos nessa arte sabem que o grafitti é muito mais do que tinta na parede”, ressalta Erre, artista multicultural e um dos fundadores do coletivo MAR (Movimento Arte de Rua), que promove luta, resistência e colore as ruas da Zona Norte de Natal com grafittis. 

O grafitti é uma expressão cultural que acontece em espaços públicos. Por isso, ainda hoje, a arte é confundida com depredação, vandalismo e danos aos patrimônios públicos. Isso também acontece devido ao preconceito, uma vez que os artistas denunciam desigualdades sociais, políticas e questões sociais que atravessam a vida de moradores da periferia. O Hip Hop, especialmente na Zona Norte de Natal, sofre escancaradamente com a violência policial e com o abandono do poder público da capital. 

É comum relembrar episódios de repressão e censura da arte. Em agosto de 2023, um jovem MC levou um tapa no rosto enquanto participava de uma batalha de rimas no Conjunto Gramoré, na Zona Norte de Natal. E esse não é um caso isolado, a juventude preta, pobre e periférica lida cotidianamente com esse tipo de situação. Na época, o Cientista Social e organizador da batalha clandestina e produtor cultural, Aleson da Cruz, enfatizou a Saiba Mais que “todas as manifestações culturais pretas sofreram repressão e com o hiphop não seria diferente…O hiphop é um cultura preta que nasceu nas ruas. Então, a gente sempre vai sofrer repressão”. 

O grafitti como arte que resiste 

Erre começou a trabalhar com grafitti em 2014, através de mutirões que aconteciam nas periferias de Natal. De início, ele apenas acompanhava a arte fazendo registros Depois disso, começou a aprimorar suas habilidades e passou a viajar o Brasil conhecendo outras artes urbanas. Como já desenhava, quando voltou a Natal, Erre foi acompanhando o cenário potiguar que ia crescendo pouco a pouco. 

Festival AcordaRua na comunidade Dom Pedro. Foto:Erre Rodrigo

Quando fui amadurecendo os traços já peguei logo um trabalho grande no mural do Sesc Cidade Alta, em 2018. Foi quando fiz uma arte toda somente com spray pela primeira vez, pois o material sempre foi difícil, mas isso não impede a criatividade do artista brasileiro. Até instiga mais ainda, como vemos grandes exemplos da arte que no Brasil se adapta às suas condições e cria sua própria estética”, conta Erre explicando como os artistas precisam se adaptar às condições que são impostas. 

 O artista, que atualmente vive em Extremoz, vê dois caminhos para o Grafitti. O primeiro é aquele criado pela grande mídia, que pega pequenos grupos de artistas e impõe aquele tipo que arte que vai ser mais “aceita”. E o segundo, é a cultura do Grafitti em sua essência, às margens do sistema, e que se mantém forte e só cresce como uma imensa rede de apoio nacional e internacional.

São diversos estilos que se unem para fazer arte nos muros erguidos e locais onde o próprio sistema abandona, seja por simples falta interesse ou pela especulação imobiliária e outros fatores sociais”, explica. 

Depois da revitalização do Beco da Lama, onde vários artistas do grafitti puderam realizar seus trabalhos no local, o cenário potiguar começaria a mudar.

Lá todos pintaram no ‘0800’ [de graça] como forma de marcar presença e mostrar nossa existência”, lembra Erre. “A Funcarte começou a viabilizar alguns trabalhos através do credenciamento e em paralelo às organizações de coletivos começaram a se fortalecer”, completa. 

Foi nesse cenário que nasceu o Coletivo Mar (@mar.graffitirn), feito por artistas da Zona Norte, que tinha a necessidade de garantir espaço e levar grandes murais de grafittis para a região e unir artistas de todos os locais. Erre Rodrigo, Lucas MDS, Enaz, Emanoel Aquila, Rasta Gustavo, Joel Quem? e Palhares compõem o coletivo e juntos já fizeram mutirões de grafitti nos Conjuntos Pantanal, Jardim Progresso e Nova Natal. Além de pintar escolas, como a Escola Municipal Professor Antônio Fagundes, em Lagoa Azul. Vale destacar os festivais, que mesmo com pouco recursos, ampliam e valorizam potências, como o festival AcordaRua, realizado na comunidade Dom Pedro, no Pajuçara. 

Lá pintamos várias casas e trouxemos outras atividades, reunindo os demais elementos do Hip Hop, coisa que os grupos estão fazendo bastante. Realizar sempre que possível esses eventos com apoio ente si, ou seja, graffiti levando DJs, Bgirls e BBoys, MCs e Rappers para seus eventos, assim como outros eventos, as batalhas de MC ou de Breaking convidam os artistas do graffiti para participar e por aí vai. Não é à toa que a cultura do Hip-Hop comemora seus 50 anos no mundo e 40 aqui no Brasil”.

O hiphop pode ser dividido em 4 pilares principais, como o Rap, os MCs, o Breaking e o Grafitti. O Breaking Dance, praticado pelos B-boys e B-girls, vai estar nos Jogos Olímpicos de Paris deste ano como uma dança esportiva.

______________________________________________________________________________

Essa reportagem faz parte do projeto "Saiba Mais de perto", idealizado pela Agência SAIBA MAIS, e financiado com recursos do programa Acelerando Negócios Digitais, do ICFJ/Meta e apoio da Ajor.

Leia também:

Projeto Saiba Mais de Perto combate "desertos de notícias" no RN

Tibau: Estudantes participam da maior feira de ciências do mundo

Aldeia Sesc Seridó reúne artistas de Caicó em Cortejo Cultural

Comerciante morre em acidente por buraco na Zona Norte de Natal

Coletivos independentes movimentam a sétima arte em Mossoró

Seridó: Aos 93 anos, Maria Albino faz doces para acolher pessoas

Depois te Conto: jovens da Zona Norte criam série independente de humor

Caatinga:  famílias vivem da natureza no Parque Nacional da Furna Feia

CMEI na Zona Norte realiza exposição inspirada em Ariell Guerra

Currais Novos: Congresso das Batalhas reuniu artistas de Hip Hop

Maior produtor de atum do RN não leva pescado à mesa areia-branquense

Caicoense transformou a dor do luto em homenagem para 40 mulheres

Como resiste o afroempreendedorismo do outro lado da ponte

Medalhista mundial de Taekwondo conheceu esporte em associação de Assu

“No Seridó a Reza é Forte” destaca indígenas e africanos no RN

Zona Norte: projeto da UFRN leva comunicação para escola pública

Em Ouro Branco, a preservação do patrimônio coloriu a cidade

Fábrica de polpa de frutas transforma vida de mulheres agricultoras

As chuvas fortes em Natal e o caos na Zona Norte

Com 74 anos, Manoelzinho produz telas em latonagem e fotocorrosão

Patu: Cineatro leva reflexão social a estudantes de escolas públicas

Redinha: trabalhadores seguem desamparados após 3 meses de protestos

Jornal impresso “Quinzenal” resiste há 19 anos em Caicó

MPRN terá ação do projeto Pai Legal na Zona Norte

Saudade estimula artista a eternizar história de Upanema em quadros

Advogada levou o sertão poético de Caicó para Paris

Serra do Mel: rádio comunitária leva o bem à Vila Amazonas

DER responsabiliza prefeitura por acúmulo de areia na João Medeiros

Jurema Coletivo de Dança traz dança contemporânea para Caicó

“Fugi da prisão”: superação torna Chico Filho imortal em Martins

Trancistas: a valorização da cultura afro-brasileira na Zona Norte

Em São José, um guardião da história criou o Museu da cidade

Disputa política e judicial causa insegurança em Porto do Mangue

Natal sem Natal: Zona Norte reivindica eventos e decoração natalina

População faz mobilização pela volta de Cherie para Caicó

Tradição em Caraúbas: banda de música prepara festejos a São Sebastião

Cmei da Zona Norte prepara Natal Solidário das crianças

Ipueirense visita sítios e faz arte em madeira morta

Portalegre: Crianças quilombolas têm contato com ciência em pesquisa

Auto de Natal: espetáculo envolveu mais de 200 atores na Zona Norte

Dedicados à tecnologia, estudantes do IFRN são aprovados no INTELI

Em Areia Branca, minicidade vai levar crianças a exercitar a cidadania

Arte-Educador da Zona Norte levou arte com mosaicos para ExpoFavela

Projeto Trapiá Semente cria grupos de teatro pelo Seridó

Apodi: 1º museu indígena do RN preserva memória dos Tapuia Paiacus

Zona Norte: reforma da Ponte do Igapó piora trânsito e incomoda região

Seridó é guardião do Doce Seco, uma sobremesa quase extinta

Costa Branca: fogos na virada do ano serão sem ruídos

Lei Paulo Gustavo fomenta criação de documentários sobre o Seridó

Zona Norte: pontes interditadas geram insegurança à virada do ano

Adolescente de São José do Seridó é destaque do Unicef Brasil

Casa paroquial guarda história de Lampião em Marcelino Vieira

A resistência dos pequenos artistas da Zona Norte

Geógrafo de São João do Sabugi cria cartilha sobre o bioma da Caatinga

Mangue é cenário para restaurante em Grossos

Redinha: prefeitura promete Mercado para março; trabalhadores duvidam

Caicó e Acari conquistaram quatro prêmios do Troféu Cultura 2023

Patu ganhará Via Sacra com 33 esculturas de concreto

Grupo Reviver realiza mamografias na Zona Norte

Em Jucurutu, Recanto da Tapera tem afeto e história no prato

Mossoró: estudante surda lança livro após ganhar prêmios de ciências

Skatistas da Zona Norte devem ganhar espaço próprio para atividade

Esmeraldina e Priscila Candice: a missão pelos animais em Caicó

São João do Sabugi realiza “Zé Pereira” há mais de 100 anos

Em Umarizal, famílias aguardam sinal para substituir parabólica

Há 20 anos, Lar da Dona Fátima acolhe animais na Zona Norte

Em prol da comunidade, Dona Maria acolhe ações sociais em Caicó

Promessa tornou areia-branquense 1ª mulher condutora do Samu no RN

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.